Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Como o MBA em Ciências de Dados mudou as carreiras dos participantes

Alunos da primeira turma comentam resultados obtidos nas empresas em que atuam

 

frame divulgação

 

Quem está no mercado de trabalho sabe a dificuldade que é arrumar tempo para tarefas que não sejam as atribuições que o próprio emprego exige. Ao mesmo tempo, a capacitação profissional é uma necessidade. E quanto mais ágil, eficiente e de qualidade os cursos, melhor o aproveitamento. 

No início deste ano, cumprindo sua principal premissa de fazer interagirem a matemática e indústria, o Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), em parceria com o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP) lançaram o MBA em Ciências de Dados, o primeiro da área oferecido a distância por uma universidade pública.

A proposta de mudar a vida profissional dos participantes em um ano foi percebida quase na totalidade. Arion Melkan de Freitas é Engenheiro de Software no Itaú Unibanco e integra a primeira turma. "Quando soube que esse MBA estava sendo oferecido, não pensei duas vezes. Passado esses 10 meses de curso, só tenho a agradecer, especialmente pela relação da teoria com a prática. Quando você entra nesse curso, você não tem um certificado garantido. É preciso muita dedicação para realizar as atividades, provas e o trabalho de conclusão de curso, além da assimilação dos conhecimentos. Tive muitos ganhos na percepção de padrões que encontramos quando tratamos os dados, trabalho melhor com python, com análise exploratória e identificação dos dados que realmente geram informação ao cliente. Além disso, o MBA já me ajudou a prestar alguns processos seletivos para direcionar a minha carreira para área de Ciências de Dados, esse é um objetivo que eu tenho", disse Arion.

Para Ricardo Grego, Senior Business Analyst no NuBank, o MBA em Ciências de Dados se destacou pela carga teórica, aliada às aplicações práticas." É um ótimo equilíbrio para entender muito bem o que é Ciências de Dados e como utilizar todo esse ferramental matemático e estatístico. O formato de aulas e monitorias EAD foram muito bem estruturados, com equipe de professores e monitores de altíssimo nível. Eu, que trabalho com análise de dados, já enxergo muitas aplicações em minha atividade profissional atual e diversas possibilidades de desenvolvimento de carreira".

Um dos diferenciais do curso é o fato de contar com uma das melhores equipes de cientistas da computação, estatística e matemática aplicada do país. "Ministrar o curso de Aprendizado Dinâmico para o MBA foi uma experiência interessantíssima, pois pude discutir temas relevantes para a análise de dados coletados ao longo do tempo, como modelos de séries temporais, redes dinâmicas e análise de sobrevivência. No curso, trabalhamos com problemas práticos atuais, precedidos de desenvolvimentos teóricos e com referências de qualidade. Como o curso é oferecido pela USP, os alunos têm acesso amplo à infraestrutura online da universidade, como repositórios de livros e artigos. Tive retornos extremamente positivos dos alunos. Analisamos dados de diversas naturezas, como aplicações das áreas médica, financeira, biológica, e inclusive dados epidemiológicos de COVID-19. Os tutores fizeram um excelente trabalho também, oferecendo todo o apoio teórico e computacional para o desenvolvimento das práticas propostas em cada aula. Considero o curso um sucesso, que traz retorno a curto prazo à carreira dos alunos, como inclusive já foi relatado por alguns deles", comentou Cibele Russo, Professora Doutora em Estatística do ICMC. 

"Não menos importante é destacar que a primeira edição do MBA realmente trouxe problemas das empresas onde os participantes trabalham para que fossem solucionados por nossa equipe de especialistas, sendo que, o nosso maior objetivo, de dar aos alunos as ferramentas e o conhecimento para tomadas de decisões nas empresas que atuam, foi cumprido. Ganham os profissionais e as indústrias de forma geral.", observou o coordenador do MBA, Francisco Louzada Neto

Francisco lembra ainda que o MBA oferece diploma chancelado pela USP, um diferencial em qualquer currículo." Convido a todos para integrar esse novo mundo da informação digital. O processo seletivo para a segunda turma já começou!".

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciências de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisa do CeMEAI irá auxiliar censo com moradores de rua de Franca

Modelo aplicado em São Carlos servirá como referência para grupo de extensão da Unesp

 

moradores rua

 

Uma pesquisa desenvolvida em parceria entre a prefeitura de São Carlos e Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) chamou a atenção do grupo de extensão Núcleo de Cidadania Ativa, da Unesp de Franca, que atua na concretização dos direitos para a população em situação de rua.

Os alunos orientados pelo professor Murilo Gaspardo entraram em contato com os pesquisadores do CeMEAI e já realizaram reuniões para troca de experiências com base no trabalho que, em São Carlos, está desenvolvendo ferramentas computacionais para auxiliar em políticas públicas voltadas para essa população.

Brenda Schiezaro Guimaro é aluna de Direito na Unesp de Franca, faz parte do grupo de extensão e conta que fez o primeiro contato com a ONG Projeto se Mudando - que atua com os moradores em situação de rua em São Carlos. “Conversando com eles sobre nossa intenção de realizar um censo sobre a população em situação de rua de Franca, eles nos contaram do projeto que estava sendo desenvolvido com coordenação do professor Alexandre Delbem e começamos a conversar”, disse.

“A primeira reunião já foi muito produtiva, nos ajudou muito, pois estávamos com dúvidas principalmente no quesito de metodologia do censo. Eles nos explicaram de forma detalhada a maneira como desenvolveram os questionários, bem como a maneira de processamento dos dados, o que auxiliou a dar um norte para nosso trabalho. Além disso, eles nos deram dicas referentes à quantidade de perguntas, pois pretendíamos realizar muitas delas e eles já haviam reparado que tal método não funcionava”.

Francisco Louzada Neto está coordenando as análises e soluções do ponto de vista da Estatística e comentou sobre a importância da qualidade do questionário. “Estamos desenvolvendo os indicadores que irão nos apontar, por exemplo, qual é o nível de aproximação desse morador com os serviços que são oferecidos pela prefeitura, olhando para a estrutura toda. Conseguimos saber qual a porcentagem de utilização desses serviços de uma forma holística, lembrando que essa análise será automática.”

“É importante enfatizar a importância das questões e ter pessoas capacitadas para aplicar o questionário, uma vez que há questões sensíveis como uso de drogas ou bebidas que eles podem não querer contar. A realidade e qualidade das respostas é de extrema importância nos resultados”, observa.

“A pesquisa demonstrou até aqui que as informações vão mudando ao longo do tempo, menos dados com mais qualidade, podem ser mais interessantes do que muitos dados sem qualidade”, observou Cristiano Jose dos Santos, aluno de doutorado de Alexandre Delbem e que participou de todo processo, inclusive da aplicação do questionário em campo.

Delbem também comentou sobre a importância de trabalhar junto com todas as equipes em todo cronograma. “É importante destacar que a metodologia baseou-se no conhecimento prévio de todas as formas já existentes de interação da sociedade com os moradores em situação de rua de São Carlos e isso possibilitou um amplo acesso a eles, o que deve beneficiar as análises.”.

Dessa forma, a tecnologia do CeMEAI é transferida para auxiliar no mesmo problema em outros municípios. O censo na cidade de Franca está sendo desenvolvido pelo Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas de Franca (COMAD), FATEC Franca, em parceria com a Secretaria de Ação Social (SEDAS), Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), Abrigo Provisório, Casa de Passagem e a Equipe do Consultório na Rua (eCR).

Túlio Boso Fernandes dos Santos está no grupo de extensão. É presidente do Conselho Municipal de Políticas Públicas sobre Drogas de Franca (COMAD) e mestrando da Unesp.  “Esta experiência de São Carlos vai nos ajudar a conhecer melhor o projeto e replicar em nossa cidade”. Contato com o grupo de extensão podem ser feitos pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Plataforma que otimiza estoques de EPIs na pandemia ganha projeção internacional

Tecnologia desenvolvida com apoio do CeMEAI é implantada na Bionexo da Argentina

 

StockSeguro1

 

Depois do sucesso e eficácia da plataforma inédita de gestão de insumos médicos desenvolvida em uma parceria entre a USP de São Carlos e a empresa Bionexo Brasil, a tecnologia ganha projeção internacional e irá auxiliar também a Argentina na pandemia do novo coronavírus.

Por meio de um sistema inteligente de algoritmos, a plataforma que já é utilizada no Brasil, foi reformulada para atender o mercado de saúde da Argentina. Ela mapeia a quantidade necessária de equipamentos de proteção individual (EPIs) e insumos por unidade hospitalar em determinada região, permitindo projetar o consumo futuro e incentivando a solidariedade entre os hospitais, com o objetivo de assegurar que os estoques sejam usados de maneira efetiva em favor da população.

A solução é resultado de uma união de esforços, de pesquisadores dos laboratórios de Estatística e de Otimização (ICMC/USP), Centro de Estudos de Risco (CER), Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e da iniciativa privada, por intermédio da empresa de soluções digitais para gestão de processos em saúde, a Bionexo.

“O principal objetivo deste trabalho que utiliza modelos preditivos é acomodar a demanda explosiva e fornecer aos hospitais meios para possíveis realocações de recursos, principalmente os EPIs, que se tornam limitados diante da pandemia que diariamente ainda faz milhares de vítimas no mundo”, explicou Francisco Louzada Neto, Coordenador de Transferência Tecnológica do CeMEAI.

O aluno de doutorado em Estatística do ICMC, Gustavo Sabillón foi um dos responsáveis em adaptar a ferramenta às necessidades do mercado argentino. “Uma grande diferença entre as ferramentas do Brasil e Argentina foram os dados que utilizamos nas modelagens. Na ferramenta da Argentina, a modelagem foi feita com base na quantidade de hospitalizados reportados em cada província. Aqui no Brasil, nos baseamos na quantidade de óbitos reportados em cada cidade. Isso fez com que os processos de previsão dos consumos hospitalares fossem diferentes nos dois países. No entanto, com resultados otimizados para ambos os casos”, disse.

software

A pesquisadora e professora do ICMC/USP Cibele Maria Russo Novelli observa que o planejamento da cadeia de suprimentos pode trazer bons resultados em diversos sentidos, além de segurança para o ramo hospitalar. “Importante ressaltar, no entanto, que fazer esse planejamento durante a pandemia é um grande desafio dada a incerteza do comportamento da doença em cada região ou cidade. Com a boa aceitação da ferramenta pelos hospitais brasileiros, surgiu a ideia da expansão para a Argentina, visando entender o comportamento da pandemia naquele país e também oferecer aos hospitais uma forma segura de se planejar durante o período, de forma que não faltem EPIs aos hospitais e que também não haja excesso de estoques com materiais caros demais nesse período. Como a ferramenta usa informações da doença específicas da região, a ferramenta do Brasil precisaria ser adaptada para a realidade argentina, o que justificou o novo projeto”, explicou.

A pesquisadora lembrou ainda que os desafios surgiram desde a coleta de dados. “A forma de armazenar e disponibilizar as informações é bastante diferente no Brasil e na Argentina. Além disso, há mudanças nos termos dos materiais utilizados e houve a necessidade de traduzir toda a ferramenta. Já nos protocolos de utilização dos materiais pelos hospitais, houve uma similaridade maior”.

O Country Manager da Bionexo Argentina, o brasileiro Luiz Reis falou sobre sua expectativa de benefícios aportados ao sistema de saúde argentino. “Estamos trazendo uma plataforma capaz de realizar a gestão inteligente dos suprimentos médicos, com eficácia já comprovada no Brasil. O objetivo é disponibilizar a todos os hospitais do país uma solução capaz de orientar seus processos de compras, garantindo uma melhor assistência a toda a população argentina.”

O estudo mostra as melhores maneiras dos hospitais se planejarem e evitarem o excesso ou a falta de estoque, baseando-se na pesquisa inédita realizada pelo CeMEAI e Bionexo, voltada a esse cenário de pandemia.

O projeto na Argentina contou com a colaboração de Oilson Alberto Gonzatto Jr, doutorando em Estatística ICMC/USP e UFSCar, Gustavo Alexis Sabillón, doutorando em Estatística ICMC/USP e UFSCar, Caio Tomazella, doutorando em Ciências da Computação e Matemática Computacional ICMC-USP, Francisco Louzada Neto, Cibele Maria Russo Novelli e Maristela Oliveira dos Santos do SME/ICMC/USP, Luiz Reis Country Manager Bionexo Argentina, Dario Galdamez Gerente de Operaciones, Hector Yapura, Tecnología e María Asunción Fragni, Analytics

 

Sobre a Bionexo

A Bionexo é uma empresa de tecnologia que oferece soluções digitais para gestão de processos na saúde.

Através de soluções digitais de alta performance, promove a automação de processos, aumentando a visibilidade e transparência da informação para uma tomada de decisão mais rápida e inteligente.

Fundada em 2000, a Bionexo conhece a complexidade que envolve o negócio da saúde, o que a torna a maior referência na construção de soluções digitais em nuvem para saúde, contribuindo decisivamente para a profissionalização do setor.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ag fapesp logo alt

Além de planejar a disponibilidade de leitos e de respiradores pulmonares para o tratamento de pacientes com COVID-19 em estado grave, os gestores de hospitais têm lidado com o desafio de gerir a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de saúde. Se as previsões de compra desses suprimentos não forem corretas, pode ocorrer desabastecimento ou gastos desnecessários.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Otimização de estoques de EPIs em hospitais

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Francisco Louzada Neto; Maristela Oliveira dos Santos

Resultado de uma união de esforços, de pesquisadores dos laboratórios de Estatística e de Otimização (ICMC/USP), Centro de Estudos de Risco (CER), Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e iniciativa privada, por intermédio da empresa de soluções digitais para gestão de processos em saúde Bionexo, nasceu um projeto desafiador que está utilizando a matemática como um auxílio na tomada de decisão dos hospitais, ao lidar com as consequências da pandemia de COVID-19.

O principal objetivo deste trabalho que utiliza dados reais é acomodar a demanda explosiva e fornecer aos hospitais meios para possíveis realocações de recursos, principalmente os EPIs, que se tornam limitados diante da pandemia.

Tem início MBA em Ciências de Dados oferecido pelo CeMEAI

Aulas do curso a distância começaram no último sábado

 

O MBA em Ciências de Dados oferecido pelo Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e pelo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP) teve início no último sábado é o primeiro da área a ser oferecido a distância por uma universidade pública.

Até dezembro, o curso que conta com uma equipe de cientistas da computação, estatística e matemática aplicada irá oferecer aos 176 alunos selecionados uma oportunidade única de capacitação com o know how USP de educação, propiciando aos participantes além de teoria, transferência tecnológica ao mercado profissional que representam.

Confira mais no vídeo:

 

Tem início MBA em Ciências de Dados oferecido pelo CeMEAI

Oferecido pelo CEPID - CeMEAI e pelo Icmc Usp, o MBA em Ciências de Dados teve início no último sábado e é o primeiro da área a ser oferecido a distância por uma universidade pública. Conheça o programa:

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

iSports é ampliado e ajuda a identificar talentos no judô

App analisa desempenho de atletas da Confederação Brasileira

 

Foto início iSports Judô editada 

 

Procurados pelo instrutor consultivo da Confederação Brasileira de Judô, Marcus Agostino, pesquisadores do Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC- USP) que desenvolveram o iSports, com apoio Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), aceitaram o desafio de ampliar a pesquisa, inicialmente com foco na identificação de talentos no futebol, para esta outra modalidade esportiva.

A atual responsável pelo projeto coordenado por Francisco Louzada Neto, Caroline Godoy, explica que a ideia da Confederação inicialmente era automatizar a coleta de dados que já é feita, acrescentando algum tipo de análise estatística que diferenciasse os talentos neste esporte.

“A ideia é a mesma do trabalho desenvolvido com o futebol (coleta, análise e identificação de talento) o que mudou foi o tipo de variável coletada, pois é outro esporte e a visualização do aplicativo que estamos desenvolvendo”, explicou.

Ainda segundo a pesquisadora, a análise teve início pelos atletas do sub-20 que tiveram os dados coletados em competições brasileiras. “Após o recebimento desses dados, estamos analisando variáveis com informações físicas e técnicas para identificar características como desempenho do judoca e habilidades em luta”.

Dados da Confederação estimam que o Brasil tenha mais de dois milhões de praticantes de judô, sendo 10% desse total, atletas profissionais. O judô está entre os dez esportes mais praticados do país.

“O iSports Judô pode auxiliar automatizando e agilizando a coleta de informações que já são feitas nas competições, oferecendo uma descrição completa do atleta que poderá verificar seu desempenho e compará-lo com os demais competidores. O programa poderá também abrir portas para atletas não profissionais acompanharem seus desempenhos pelo aplicativo onde eles poderão inserir suas informações, ter respostas e compará-las”, comentou.

“A ideia deste trabalho que foi remodelado e ampliado é proporcionar controle e acompanhamento do desempenho do atleta profissional, bem como a identificação de talentos e proporcionar um App para os não profissionais se compararem com os principais atletas do país”, resumiu Caroline.

Além da coordenação de Louzada e Caroline, o grupo que trabalha neste projeto é formado pelo Prof. Dr. Anderson Luiz Ara Souza (Docente UFBA), Marcos Jardel Henrique (Aluno de Doutorado em Estatística UFSCar/ICMC-USP), Gustavo Zabotto (Aluno Graduação), Júlio Trevisan Centanin (Aluno Graduação), Vinícius Loureiro Siqueira (Aluno Graduação) e
Wesley Da Silva (Aluno Graduação).

Além de receber o apoio do CeMEAI, o projeto também faz parte do ICMCIn, coordenado pela professora Solange Rezende, cujo objetivo é disponibilizar espaço e apoio para uma pré-incubação e/ou uma formação empreendedora para projetos de inovação.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisadores do CeMEAI participam de projeto finalista de prêmio da ANP

Vencedores foram divulgados na última semana

 

louzada anp

 

O Palácio do Itamaraty do Rio de Janeiro recebeu, na quinta-feira da última semana (28/11), a cerimônia de entrega do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019. O evento da Agência Nacional do Petróleo condecorou projetos de pesquisa que representam inovação tecnológica para o setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis, desenvolvidos no Brasil por instituições de pesquisa credenciadas pela ANP, empresas brasileiras e empresas petrolíferas.

Entre os trabalhos finalistas estava o projeto Annelida – Unidade robótica remotamente controlada para quebra de hidratos e remoção de parafinas sem sonda em dutos rígidos e em linhas flexíveis não pigáveis. O Annelida contou com a participação de três pesquisadores do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI): Francisco Louzada, professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos e Coordenador de Transferência de Tecnologia do Centro, José Alberto Cuminato, também do ICMC e diretor do Centro, e Vera Tomazella, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

O estudo chegou à final da Categoria I, que contemplava projetos desenvolvidos exclusivamente por instituições credenciadas, em colaboração com empresas petrolíferas, na área temática geral “Exploração e Produção de Petróleo e Gás”, e tinha como ideia principal desenvolver um robô para a limpeza dos dutos de captação de petróleo do pré-sal.

Além da equipe do ICMC/USP, o projeto também contava com membros do SENAI de Florianópolis/SC, do SENAI de São Leopoldo/RS e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

O Annelida ajudará a Petrobras a reduzir perdas estimadas em bilhões de reais na substituição de dutos danificados e em lucros cessantes decorrentes da operação. O petróleo extraído do pré-sal sai do solo a uma temperatura de 60 a 70 graus C, mas vai se resfriando ao passar pelo oceano, um percurso de até 7 quilômetros, podendo chegar à temperatura de quatro graus. Esse resfriamento faz com que o óleo vá se solidificando e liberando hidratos e parafinas, que aderem à parede do duto, podendo entupi-lo. A iniciativa está em fase de desenvolvimento e deve ser testado em 2020.

“Foi uma experiência incrível trabalhar com a Petrobras e com essa equipe no desenvolvimento de uma ferramenta que poderá ser utilizada para melhorar um processo importante na extração do petróleo, tendo impacto econômico, científico e social. Também considero muito importante a nossa participação em um evento como esse e o reconhecimento por parte da ANP. Isso mostra que estamos desenvolvendo pesquisas no caminho certo”, comemora Louzada.

O resultado final da premiação das cinco categorias pode ser conferido no site do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2019.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

De olho no mercado: alunos da USP encerram ano de aprendizado baseado em problemas

Metodologia PBL é utilizada por professores do ICMC desde 2015

 

pbl site

 

Nesta semana, o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos encerrou mais um ano de sucesso da aplicação de uma metodologia diferente para o aprendizado: a PBL (Problem Based Learning), ou Aprendizado Baseado em Problemas.

A ideia de utilizar a PBL nas disciplinas é apresentar problemas reais a alunos de graduação para que eles possam desenvolver as técnicas e aprender, desde cedo, a encarar as demandas do mercado. “Utilizando esta metodologia, o aluno tem a possibilidade de ser o protagonista do seu próprio aprendizado. Ele não somente visualiza a percepção do docente, mas desenvolve uma percepção própria em relação a cada problema”, explica Francisco Louzada, que gerencia a iniciativa e é Coordenador de Transferência de Tecnologia do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI).

Desde 2015, 36 problemas já foram apresentados por diferentes empresas e instituições aos alunos do ICMC, que, utilizando a metodologia, discutiram e avançaram com possíveis soluções para cada um deles. Só neste ano, foram 17 projetos desenvolvidos – todos eles com a participação de alunos de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado, em um estrutura hierárquica de aprendizado. “Os alunos ficam muito empolgados, porque têm a oportunidade de aplicar tudo o que aprendem de uma forma mais direta. Além disso, fazemos uma mímica do que eles vão encontrar fora da universidade, antecipando possíveis problemas que eles possam ter”, complementa o professor.

Aproveitando o fim de mais um ano letivo que aproveitou a PBL para dinamizar o aprendizado de alunos, o CeMEAI reuniu todos os projetos desenvolvidos com a metodologia na página da PBL no site do Centro. Nela, estão reunidos todos os projetos e seus participantes, bem como um resumo dos avanços alcançados nos cinco anos de aplicação da PBL no ICMC e reportagens e vídeos que registram as experiências de pesquisadores e alunos. “A página exclusiva da metodologia PBL no site do CeMEAI tem o objetivo de servir como um registro de tudo o que já fizemos nestes cinco anos, mas também pode funcionar como um espelho para outros professores, disciplinas e universidades que queiram aproximar seus alunos dos problemas reais do mercado de trabalho”, finaliza Louzada.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Trabalho sobre controle estatístico de processos é premiado

Best Poster Award foi conquistado em Conferência Internacional de Salvador

 

Recebimento Prêmio 2nd CSDS

Foto: Divulgação/Facebook 2nd CSDS

 

 

O artigo intitulado "New statistical process control chart for overdispersed count data based on the Bell distribution" recebeu o Best Poster Award on Statistics and Data Science na 2ª Conferência em Estatística e Ciência de Dados, realizada em Salvador - BA, entre os dias 18 e 20 de novembro.

Submetido pelo aluno de mestrado Laion Lima Boaventura, que é orientado pelo professor Paulo Henrique Ferreira da Silva, na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), o trabalho, relacionado a controle estatístico de processos empresariais, também tem participação do Coordenador de Transferência Tecnológica do CeMEAI Francisco Louzada Neto e colaboração do aluno de pós-doutorado Pedro Luiz Ramos (ICMC/USP) e da professora Rosemeire Leovigildo Fiaccone (UFBA).

“Neste artigo, apresentamos uma nova ferramenta gráfica que pode auxiliar empresas e diferentes áreas de atuação interessadas em monitorar e melhorar a qualidade de processos, produtos e serviços por intermédio da análise de dados estatísticos. Essa ferramenta se mostrou útil e interessante em relação aos modelos usuais”, explica Paulo.

Segundo ele esta é uma área muito promissora e que tem chamado a atenção de outros alunos e professores interessados em trabalhar com a temática. “Já demonstramos aplicações nas áreas de economia e finanças, temos projetos em andamento para o esporte/futebol e também já estudamos processos com dados reais em saúde”, conta.

Este foi o segundo prêmio do ano. No dia 01 de novembro, o trabalho foi reconhecido como melhor pôster no Led Date, um encontro - também na Bahia, sobre Estatística e Data Science. O trabalho submetido para este outro prêmio é relacionado ao estudo de dados sobre malária na Amazônia Legal, trazendo importante contribuição.

“Todo prêmio é um reconhecimento ao trabalho que temos feito em parcerias inéditas, muitas delas, entrelaçadas pelo professor Louzada e de grande valia. Parabenizo o Laion pelo empenho, organização e maturidade demonstrados durante a produção do artigo. Agradeço ainda a professora Rosemeire pela participação em mais esta conquista conjunta e aos parceiros Louzada e Pedro Ramos, cujo envolvimento e atuação possibilitaram a elevação do nível de excelência e qualidade da pesquisa”.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página 1 de 7