Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Supercomputador do CeMEAI auxilia pesquisadores da USP em Piracicaba

Cluster Euler reduziu muito o tempo gasto em processamentos

 

Supercomputador do CeMEAI auxilia pesquisadores da USP em Piracicaba

Pesquisadores da ESALQ têm utilizado o cluster Euler, o supercomputador do CEPID - CeMEAI, para ajudar em trabalhos na área ambiental. Saiba mais: https://goo.gl/owpfaV

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

 

Na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, o campus da USP na cidade de Piracicaba, o meio-ambiente é assunto diário. Por ser referência nacional nos estudos relacionados à agricultura, a Esalq tem pesquisadores que desenvolvem projetos de ponta em parceria com instituições do governo. É o caso do Grupo de Políticas Públicas (GPP), que surgiu do Laboratório de Planejamento de Uso do Solo e Conservação (Geolab).

"Entre 1999 e o ano passado, quando o GPP foi finalmente institucionalizado na Esalq, nós trabalhamos com vários temas da interface entre meio-ambiente e agricultura. Trabalhamos com o Ministério do Meio-Ambiente, do Desenvolvimento Agrário, da Agricultura e outras organizações com uma agenda muito ampla envolvendo temas de reforma agrária, crédito fundiário, programas de pagamento por serviços ambientais, compras públicas, enfim", conta Gerd Sparovek, coordenador do Geolab.

O Geolab sempre trabalhou com iniciativas que pudessem ter algum retorno social. Porém, recentemente, o grupo ganhou um aliado importante nos projetos: é o supercomputador do CeMEAI, que realiza operações a uma velocidade aproximadamente 5 mil vezes maior que um computador comum. Foi na pesquisa do mestrado que o pesquisador Arthur Fendrich descobriu o poder do cluster. "Surgimos com a ideia, com a metodologia e, quando começamos a executar, vimos que com um único computador seria inviável de fazer essas contas, que muitas vezes uma operação – e nós faríamos várias operações – levava dias. Nós começamos a pesquisar alternativas, descobrimos a existência do Euler e aprendemos, conforme fomos aprendendo a usar, a reduzir essa questão de dias para horas. Essa série de processamentos que esperávamos que levasse meses foi possível fazer em semanas. Conseguimos testar várias alternativas e chegar a um modelo estatístico bom graças à capacidade de processamento que ganhamos com o Euler", comemora Arthur.

Em parceria com o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), o grupo desenvolveu um atlas agropecuário, que mostra informações como mapa de carbono, limites da malha fundiária e as terras públicas e privadas de todo o Brasil. O mapa fica disponível gratuitamente na internet para qualquer interessado. "O primeiro benefício do cluster foi conseguirmos melhorar a precisão dos cálculos. Quando aumentamos a capacidade de processamento com novas células, conseguimos inclusive processar coisas novas, o que antes não era possível por uma limitação computacional. Hoje em dia, pros 7,5 milhões de imóveis, conseguimos fazer essas contas de uma maneira muito mais refinada que antes", completa Arthur.

Portaria ministerial

Outra pesquisa importante desenvolvida pelos pesquisadores do GPP/Geolab se tornou uma portaria ministerial. "Esse projeto mapeou as áreas irrigadas, viu os lugares que tinham potencial para fazer a ampliação dessa irrigação, água disponível, infraestrutura e energia elétrica, que são parâmetros importantes para a implementação de áreas irrigadas. Além disso, ele apontava as áreas que já tinham problemas, já não tinham mais água disponível para fazer a irrigação. Com isso, o gestor conseguia fazer um bom planejamento, e em cima desse planejamento ele consegue indicar políticas que conseguem atender e fazer essa expansão da agricultura irrigada de uma forma ordenada, ou seja, uma otimização de recursos", explica o pesquisador Rodrigo Maule.

Além das pesquisas a nível nacional, o cluster do CeMEAI também dá um suporte importante a trabalhos no estado de São Paulo. Um deles é desenvolvido em parceria com instituições públicas para melhorar a fiscalização ambiental das propriedades rurais. "A partir de uma demanda da Fapesp junto à Secretaria do Estado, foi necessário um projeto para que se pudesse entender como ocorre a questão da aplicação da legislação ambiental dentro do estado visando a compensação. É possível observar toda a questão da vegetação e uso de solo de acordo com o mapa criado ou com a base de dados espaciais desenvolvida", descreve o pesquisador Paulo André Tavares.

"Fazer estudos regionais, mais generalistas, ajuda a tomar as decisões, mas operar uma decisão de política pública depende de escala e precisão espacial, e é isso que o cluster trouxe para nós - esse potencial de conseguir alinhar o que são processamentos mais gerais sobre como a coisa toda vai funcionar, que você consegue fazer com uma infraestrutura computacional mais simples, e aprofundar esses estudos até a escala local", reforça Gerd.

"Nós trabalhamos em vários projetos, com vários ministérios, e nesses estudos normalmente utilizamos muitas modelagens, que trabalham com bases de dados de nível nacional, que são bem pesadas. Para isso, precisamos ter recurso computacional muito forte, e essa parceria com o CeMEAI veio ajudar muito nisso", finaliza Rodrigo.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Prova de velocidade

pesquisa fapesp

 

 

Em um intervalo de poucos meses, o Brasil perdeu sete posições no ranking das nações com os maiores parques de supercomputadores. Em novembro do ano passado, o país ocupava a 10ª colocação, com seis máquinas entre as 500 com mais alto desempenho no mundo. Em junho deste ano, caiu para o 17º lugar, com quatro computadores. O melhor momento do país foi em 2004, quando teve nove representantes na lista. Os dois supercomputadores brasileiros que deixaram o ranking pertencem à Petrobras e ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Ambos seguem produzindo cálculos complexos e velozes, na casa dos trilhões de operações por segundo, e são indispensáveis para simular perfurações em campos de petróleo e produzir pesquisas sobre clima e previsões meteorológicas acuradas. Mas já não figuram na relação dos 500 mais velozes porque foram superados por outros de fabricação recente. Inaugurado neste ano, o computador mais veloz do mundo, o Sunway TaihuLight, da China, é capaz de realizar 93 quatrilhões de cálculos por segundo – desempenho três vezes superior ao do 2º lugar, o também chinês Tinhae-2. O país asiático tem 168 máquinas no Top 500, que é divulgado desde 1993 pelas universidades de Mannheim, na Alemanha, e do Tennessee, nos Estados Unidos.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Processamento de dados em pesquisas para o meio ambiente

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Rodrigo Maule, Gerd Sparovek, Arthur Fendrich, Paulo André Tavares

O Geolab sempre trabalhou com iniciativas que pudessem ter algum retorno social. Porém, recentemente, o grupo ganhou um aliado importante nos projetos: é o supercomputador do CeMEAI, que realiza operações a uma velocidade aproximadamente 5 mil vezes maior que um computador comum.

O cluster possibilitou melhorar a precisão dos cálculos. Quando a capacidade de processamento foi aumentada com novas células, foi possível inclusive processar coisas novas, o que antes não era possível por uma limitação computacional. Hoje em dia, pros 7,5 milhões de imóveis, é possível fazer essas contas de uma maneira muito mais refinada que antes.

CeMEAI inaugura supercomputador de R$ 4,5 milhões

Equipamento poderá ser usado por pesquisadores de todo o Brasil

 

Confira nossa reportagem sobre a inauguração do cluster "Euler", ontem, na USP - Universidade de São Paulo em São Carlos:

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta, 15 de julho de 2015

Na manhã desta terça-feira (14), foi inaugurado o cluster “Euler”, supercomputador do CeMEAI que processa dados cerca de 4700 vezes mais rápido que um computador comum. O cluster custou 1,25 milhão de dólares – pouco mais de 4,5 milhões de reais – e deve receber, em dois anos, uma atualização no valor de 625 mil dólares (cerca de 2 milhões de reais). A cerimônia de inauguração foi realizada no auditório Fernão Stella Germano, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos.

O evento foi aberto pelo diretor do CeMEAI, José Alberto Cuminato, e pela vice-diretora do ICMC, Maria Cristina Ferreira de Oliveira. Cuminato deu um breve histórico sobre o processo de aquisição do cluster e Maria Cristina elencou os avanços que podem ser trazidos pelo supercomputador. Responsável pelo equipamento, o professor Fabrício Simeoni de Sousa apresentou números de desempenho do Euler em comparação com outros supercomputadores do Brasil e do mundo.                 

Em breves apresentações, outros dois pesquisadores ilustraram a importância do cluster para seus trabalhos. Felipe Pereira, da Universidade do Texas, usa outro supercomputador nos Estados Unidos e explicou como o Euler pode facilitar o trabalho dos pesquisadores. Já Carlos Junqueira-Junior, doutorando do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), já usa o Euler e explicou aos cerca de 30 presentes que processos que antes levavam seis meses podem ser concluídos, com o novo supercomputador, em cerca de três semanas.

Quem também contemplou a inauguração do cluster foi o diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, que fez questão de elogiar a iniciativa. “Fico muito satisfeito em participar desta cerimônia e de ver a eficiência e a atenção com que o CeMEAI e o professor Cuminato organizaram a aquisição, a instalação e a operação desse cluster muito impressionante de computadores”, declarou.

Brito Cruz também incentivou o uso do equipamento por pesquisadores de todo o Brasil. “Para nós, da FAPESP, é muito importante que essa máquina seja usada o tempo todo, seja no estado de São Paulo ou até mesmo no Brasil. Este é um desafio importantíssimo e temos certeza que o CeMEAI conseguirá realizar”, finalizou. O evento foi encerrado quando Cuminato e Brito fizeram o descerramento virtual da placa do Euler.

Já está disponível na internet um site com as informações técnicas do supercomputador e um formulário para a utilização do Euler. Pesquisadores do CeMEAI e associados já podem utilizar a máquina e, em breve, integrantes de outras instituições também poderão usar o supercomputador.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software. 

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras cinco instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Leonardo Zacarin – Comunicação CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Supercomputador será inaugurado em 14 de julho

Representantes da Fapesp foram convidados para a cerimônia, que está prevista para as 11h

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) vai inaugurar oficialmente na próxima semana o novo cluster computacional, um agregado de processadores ligados em rede. O equipamento faz parte dos recursos aprovados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). É um computador de grande porte para o processamento científico de alto desempenho. A máquina custou mais de 1 milhão de dólares e estão previstos outros 625 mil dólares para o upgrade do equipamento.

O diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz, foi um dos convidados para o evento, além de autoridades e docentes. Por questões de segurança, a entrada de pessoas na área onde fica o cluster será restrita. A cerimônia está marcada para o dia 14 de julho e será acompanhada pelos presentes por meio de videoconferência. A solenidade será realizada no Auditório Professor Fernão Stella Rodrigues Germano.

O supercomputador, batizado provisoriamente de “ICE-X”, tem 2100 núcleos de processamento e vai agilizar muito as pesquisas. Um laptop comum normalmente tem apenas 4 núcleos de processamento. Outra medida da velocidade do equipamento é dada em FLOPS – do inglês Floating-point Operations per Second – que é o número de operações matemáticas básicas (como adição, subtração, multiplicação e divisão) realizadas por segundo. O cluster chega a 46 teraflops, aproximadamente 46 trilhões de operações por segundo.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Avaliação de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software. 

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras cinco instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Texto: Carla Monte Rey - Assessoria CEPID-CeMEAI

Foto: João Terezani – Assessoria CEPID-CeMEAI

 

Mais informações 

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

CEPID-CeMEAI ganha supercomputador para as pesquisas

O equipamento é o mais rápido já instalado para uso científico em universidades paulistas

O Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI), deverá contar em breve com um cluster computacional, um agregado de processadores ligados em rede. O equipamento faz parte dos recursos aprovados pela Fapesp – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – para o CEPID-CeMEAI. Este cluster constitui-se de um computador de grande porte para o processamento científico de alto desempenho. Em 2013 a Fapesp autorizou a compra de um equipamento inicial, além de um upgrade da máquina após dois anos da primeira aquisição. Foram destinados US$1,25 milhão para a compra da máquina, e outros US$625 mil para o upgrade.   

O processo seletivo

Uma comissão de aquisição foi formada por professores e técnicos especializados. Esta comissão fez um processo de seleção para a escolha da melhor máquina entre as propostas recebidas. Foram convidados seis fornecedores para participar: Hewlett-Packard (HP), Dell, Silicon Graphics Internacional (SGI), Cray, IBM e Cisco Systems. Desde 2013, este processo constitui-se de várias etapas. Um seminário foi realizado em 22/10/13 para que os fornecedores conhecessem as necessidades e restrições do equipamento a ser comprado e para que tirassem dúvidas, além de uma visita ao local que abriga o cluster. Das seis empresas convidadas, quatro compareceram. Apenas três delas entregaram as propostas preliminares (em 18/11/13). Em 29/11/13 foram divulgadas as propostas recebidas e duas enviaram à Comissão as propostas finais em 17/12/13. Em 18/12/13 a comissão se reuniu para escolher a empresa vencedora. Foram levados em conta itens como a maneira de comunicação entre as máquinas, a capacidade de cada uma delas, a velocidade de disco e a confiabilidade, o software escolhido e o desempenho nos testes. O resultado do processo seletivo foi divulgado em 20/12/13: a SGI foi a empresa selecionada para instalação e manutenção do supercomputador. As propostas recebidas eram semelhantes, mas a preferência foi dada para SGI porque, entre outros fatores, ofereceu maior garantia de suporte do software e melhor usabilidade nos testes de performance.

Capacidade e funcionamento

“Os primeiros testes já começaram e acreditamos que o cluster esteja totalmente operacional até o mês de junho” explica Leonardo José Martinussi, analista de sistemas responsável pela administração técnica do equipamento. O supercomputador – batizado provisoriamente de “ICE-X” – tem 2100 núcleos de processamento. “E a expectativa é que esse número chegue a 4 mil processadores quando o upgrade previsto pra daqui 2 anos for realizado. Para se ter uma comparação, um laptop comum normalmente tem apenas 4 núcleos de processamento. São 350 terabytes de espaço para armazenamento de dados, sendo que um computador pra uso pessoal tem cerca de 1 terabyte. De memória RAM são aproximadamente 13 teras (13.440 gigabytes) contra 8 gigas de um laptop normal. Outra medida da velocidade do equipamento é dada em FLOPS – do inglês Floating-point Operations per Second – que é o número de operações matemáticas básicas (como adição, subtração, multiplicação e divisão) realizadas por segundo. “Esse equipamento atinge cerca de 46 teraflops, o equivalente a aproximadamente 46 x 1012 (dez elevado a doze) = 46.000.000.000.000 operações por segundo”, detalha o professor responsável pelo ICE-X, Fabrício Simeoni de Sousa.

Comparando com outros computadores já instalados para pesquisa científica

ICE-X (USP São Carlos)

Águia (USP São Paulo)

IBM P750 (Unicamp)

ICE 8400 (IAG – USP São Paulo)

GridUNESP

(Unesp)

Processadores

2100

1000

1280

2304

2944

Memória

13 TB

25 TB

5 TB

4.6 TB

4.3 TB

Storage

350 TB

25 TB

224 TB

15 TB

206 TB

Processador

E52680v2

E72870

Power 7

Opteron 6172

Xeon 2.83 GHz

FLOPS

46

teraflops

--

37

teraflops

20

teraflops

33 teraflops

(fonte: universidades)

Adaptações para a instalação do cluster

O cluster está instalado em uma sala de hospedagem no CeTI – Centro de Tecnologia da Informação de São Carlos, órgão da Superintendência de Tecnologia da Informação, que tem 130 metros quadrados. O processo de montagem do equipamento levou uma semana e foi feito no mês de março. Toda a operação de montagem foi gravada por uma câmera montada na sala de hospedagem.

Vídeo cedido pelo ICMC – Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação 

Havia a necessidade de readequação da sala de hospedagem para receber os equipamentos do CEPID, do CeTI, da USP de São Paulo e de outros projetos. Roberto Marcelo Terrabuio, responsável pela hospedagem do cluster, explica que antes a instalação elétrica da sala seguia os padrões normais, como nas residências. Foi feito um projeto para aumentar a capacidade de hospedagem, recebendo mais equipamentos. “Trocamos o gerador de energia, os nobreaks, e precisamos refazer as instalações. Mas não optamos pelos cabos, porque não haveria mobilidade, nem atingiria a capacidade dentro da sala. Preferimos o barramento blindado (em inglês, busway) para passar energia. São barras de cobre de alta capacidade, onde não se corre o risco de choque elétrico. Como o busway tem as barras, cada cofre de derivação - onde estão as tomadas – pode ser encaixado em qualquer ponto dele”, conclui Terrabuio."

Visualmente falando, o cluster está dentro de uma estrutura semelhante a uma grande caixa preta (enclausuramento frio) de 20,16 metros quadrados, onde existem duas fileiras de racks com um corredor no meio. Três racks são do cluster do CEPID-CeMEAI, e ocupam 2,88 metros quadrados. O sistema de refrigeração do equipamento é feito de dentro pra fora. O ar passa pelos racks e é jogado para as laterais dessa caixa preta, evitando assim o aquecimento do cluster. Esse sistema é chamado de corredor quente-frio.

cluster1           cluster2

Quem poderá usar o Cluster?

Fabrício explica que todos os pesquisadores do CEPID poderão usar a supermáquina, já que os recursos foram destinados pela da FAPESP via CEPID-CeMEAI. “Além disso, por se tratar de um equipamento multiusuário financiado pela FAPESP, ele também pode ser utilizado por outros pesquisadores do estado de São Paulo. Assim que o equipamento entrar em total operação, os interessados poderão fazer uma solicitação para sua utilização”, ele ressalta. A ideia também é criar um site onde haveria informações sobre o equipamento, instruções de uso e tutoriais.

A história do Cluster

Os supercomputadores começaram a ser fabricados nos anos 60 com a IBM, mas ganharam força nos anos 80, com os microprocessadores de alta performance, redes de alta velocidade e computação de alto desempenho. Também surgia a necessidade de uso para aplicações científicas e comerciais. O protótipo dos primeiros clusters tinham 16 processadores e fez sucesso, espalhando a novidade mundo afora.

O ranking dos supercomputadores

Atualmente o maior supercomputador do mundo é chinês e fica em Guangzhou. Foi batizado de Tianhe-2. No Brasil, o maior computador fica no Nordeste, no Senai da Bahia, seguido pelo supercomputador da Petrobrás, o Grifo-04, instalado no Rio de Janeiro.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Avaliação de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software. 

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras cinco instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Texto: Carla Monte Rey - Assessoria CEPID-CeMEAI

Fotos: Carla Monte Rey/Roberto Terrabuio 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

As pesquisas feitas na USP em São Carlos vão ganhar agilidade. A Universidade, agora, tem um supercomputador que supera em mais de quatro mil vezes a velocidade de um computador comum, como o que você tem aí na sua casa.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

 

A USP de São Carlos ganhou um reforço tecnológico para as pesquisas. É um supercomputador, quase cinco mil vezes mais rápido que os notebooks atuais. O equipamento vai acelerar a velocidade do processamento dos cálculos matemáticos e deve ser utilizado por pesquisadores de todo o estado de São Paulo.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!