Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Estudos comparativos indicam inconsistências em boletins de São Paulo sobre Covid

Divulgação dos dados contém diferenças entre os próprios documentos liberados pela Prefeitura

 

Nas últimas semanas, a cidade de São Paulo tem dado passos na direção da reabertura gradual do comércio e da flexibilização das medidas de isolamento social. Porém, um estudo comparativo realizado por um pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) mostra que os dados sobre óbitos por Covid-19 divulgados pela Prefeitura têm sofrido alterações retroativas nos boletins emitidos diariamente.

Nas imagens abaixo, retiradas dos boletins da Prefeitura, é possível observar que o número de mortes pode ter sido atualizado de forma retroativa – ou seja: se, por exemplo, uma vítima da Covid no dia 15 de julho teve o diagnóstico da doença como causa da morte apenas no dia 20, seu óbito será contabilizado no dia 15, e não no dia 20. Dessa forma, o número de óbitos diários é mitigado, já que as mortes estariam sendo distribuídas nos dias anteriores.

13 714 7

Os boletins dos dias 13 e 14 de julho de 2020 mostram os mesmos números de óbitos nos dias anteriores

15 7

Já o boletim do dia 15 de julho de 2020 altera os números que permaneceram iguais nos boletins anteriores

 

Observando a tabela a seguir, que também utiliza dados dos boletins da Prefeitura, é possível perceber o efeito prático de uma mudança dessa natureza na divulgação. Se os óbitos fossem contabilizados de acordo com a data de constatação da Covid, como no boletim do dia 14, e não a partir da data da morte em si, como no boletim do dia 15, os dados de óbitos no período entre os dias 9 e 13 de julho seria praticamente o dobro do que foi informado.

tabela boletins

*Tabelas de evolução de óbitos - MSP (SIM / SMS-SP) dos Boletins Epidemiológicos da Prefeitura de São Paulo.

Essa prática também ajuda a explicar o gráfico abaixo. Comparando os dados da Lombardia, na Itália, e da cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, com os números informados pela Prefeitura de São Paulo, pode-se perceber que não houve um pico abrupto de óbitos diários na capital paulista – ao contrário do que ocorreu nas outras duas regiões. Dessa forma, a partir desses dados, não é possível identificar ao certo se já houve o pico na capital, ou, ainda, que o declínio dos óbitos diários observado na Lombardia e em Nova Iorque ocorrerá em São Paulo.

casos diarios

“Analisando os dados e os gráficos de Nova Iorque e da Lombardia, é possível observar que as duas curvas apresentam comportamentos similares, isto é, uma espécie de assinatura de como a pandemia se comportou nessas regiões. Isso não é possível constatar na curva de São Paulo. Uma hipótese poderia ser a questão da ausência de uma testagem massiva, ou ainda, por outro lado, como o resultado - positivo - do isolamento social adotado nos primeiros meses da pandemia. Nesse sentido, São Paulo parece estar esticando a curva, o que em um primeiro momento é algo positivo. Porém, é importante ponderar que, como o número de novos óbitos ainda se mantém elevado, essa regularidade acaba sendo prejudicial, já que, ao contrário das outras regiões, não vemos indícios fortes de quedas no número de óbitos”, explica Wallace Casaca, responsável pelo estudo comparativo entre as cidades.

A análise do número de casos confirmados também mostra alguns pontos inconsistentes. Como observado na ferramenta InfoTracker, que também é alimentada por dados oficiais, entre os dias 10 e 22 de julho, os dados de casos diários positivos de Covid-19 em São Paulo se mantiveram cerca de 90% abaixo do que foi observado com relação às médias semanais anteriores ao dia 10. Pode-se perceber no gráfico a seguir – também criado a partir de dados divulgados pela Prefeitura – que há uma queda abrupta no número de casos diários em São Paulo.

casos diários all

Entre os dias 10 e 21, o número máximo de casos diários foi de 600, ocorridos no dia 16. Porém, os casos diários do dia 22 chegaram a 18.601, o que corresponde a um crescimento de quase 10% em relação ao número total de casos durante todo o curso da pandemia. A própria Prefeitura, em boletim, confirma que os dados do E-SUS não são atualizados desde o dia 9 de julho.

e sus

Desta forma, não é possível ter certeza se os dados entre os dias 10 e 22 foram se acumulando e divulgados apenas ao fim do período ou se eles não foram corretamente levantados.

O estudo completo, com explicações técnicas e metodológicas, pode ser acessado aqui.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.