Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Tecnologia do CeMEAI é apresentada na Agrishow 2019

Drone para pulverização é desenvolvido com empresa de Ribeirão Preto

 

IMG 1900 2 IMG 1871 2

 

O trabalho desenvolvido por pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) foi conhecido por visitantes da 26ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow 2019), maior feira de tecnologia agrícola do Brasil e uma das maiores do mundo, realizada na cidade de Ribeirão Preto entre os dias 29 de abril e 02 de maio.

Uma das pesquisas de Onofre Trindade Junior, professor aposentado do ICMC/USP e Cláudio Fabiano Motta Toledo, professor do Departamento de Sistemas de Computação do ICMC/USP e pesquisador do CEPID-CeMEAI trata da tecnologia de pulverização agrícola por drones. Hardware e Software do equipamento foram desenvolvidos em parceria com a empresa Drone Sense para que o produto atendesse as necessidades de produtores de cana-de-açúcar.

Mauricio Gabiolli é o diretor da empresa. Ele explica que o drone apresentado na Agrishow pode ser utilizado em um processo de cultivo denominado catação. “Durante o plantio, crescem junto com a cultura plantas daninhas que precisam ser erradicadas. Muito desde trabalho de aplicação de produtos químicos ainda é feito de forma manual ou por helicópteros, o que tem custo alto ou ainda, por aviões, mas neste último caso, o produto fica no ar, pode chegar a propriedades vizinhas, por exemplo. Então, a solução ideal chega com esse drone que consegue voar a uma altura de 10 ou 15 metros, desce de forma certeira no local onde o herbicida precisa chegar, faz a pulverização, levanta voo e pousa sozinho”, explica.

Ainda segundo ele, a troca de experiências com o CeMEAI foi fundamental na solução encontrada. “Já procurei desenvolver essa tecnologia no mercado com empresas privadas e nunca progrediu tanto como com a universidade. Os pesquisadores realmente entenderam o problema e apresentaram uma tecnologia que funciona muito bem, de forma muito rápida e muito precisa. Eu acho isso fantástico”, comentou Maurício.

Vitor Vargas de Oliveira oferece soluções para produtores de café no Espírito Santo e conheceu a tecnologia. “Eu gostaria de poder contar com um produto desse adaptado ao nosso cultivo também. É algo que não encontramos no mercado”, opinou.

Para Cláudio Fabiano Motta Toledo, esta parceria com a empresa Drone Sense é fundamental. “Este trabalho conjunto poderá permitir tanto a construção dos equipamentos, quanto um maior contato com empresas no mercado que demandam tal tecnologia”, comentou.

Cláudio lembra ainda que, neste momento, os equipamentos não estão sendo fornecidos para o mercado. “Este é no entanto, o início de uma aproximação importante do que está sendo desenvolvido pela universidade diante das necessidades existentes para o uso efetivo de drones na agricultura”.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Sobre a Drone Sense Tecnologia Aérea

A Drone Sense atua na área de tecnologia aérea, todo e quaisquer tipos de drones, vant’s, sensores, robótica no uso de controle biológico e químico; Cursos especializados na área de agricultura de precisão, capacitação operacional desde a construção de um drone tão bem como sua operação.

Busca atender as necessidades do campo fornecendo produtos onde hoje falta recursos e tecnologia efetiva, atuando no desenvolvimento de novos drones em parceria à universidade, importando tecnologia do mercado exterior para que se tenha o melhor equipamento.

Atua na área de agricultura de precisão com agrônomos especializados nessa nova era da tecnologia aérea e também cursos profissionalizantes na operação dos drones e prestação de serviços.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

A tecnologia que alerta sobre o risco de enchentes

Sistema desenvolvido com apoio do CeMEAI também usa redes sociais

 

Janeiro é um dos meses mais críticos quando falamos em enchentes e alagamentos na maioria dos municípios brasileiros. Ter a tecnologia como aliada na gestão de riscos já é uma realidade desenvolvida no Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação (ICMC) da USP, em São Carlos.

Liderada pelo professor Jó Ueyama (ICMC- USP), com colaboração dos professores João Porto de Albuquerque (Universidade de Warwick), Alexandre Delbem (ICMC- USP) e dos alunos Sidgley Camargo de Andrade (Doutorando no ICMC - USP),  Thiago Aparecido Gonçalves da Costa (Mestrando no ICMC - USP) e Lucas Augusto Vieira Brito (Mestrando no ICMC - USP), a pesquisa resultou em um sistema que não apenas detecta enchentes e o nível de poluição de rios, como pode avisar a população, via aplicativo de celular, sobre os eventuais riscos. O sistema é chamado e-NOE e funciona por meio de uma rede de sensores sem fio.

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) apoia este trabalho que é aprimorado com os dados disponíveis nas redes sociais por meio de postagens dos usuários no Twitter.

Assista ao vídeo e veja como funciona:

 

A tecnologia que alerta sobre o risco de enchentes

Sob orientação de um pesquisador do CEPID - CeMEAI, um grupo de estudos desenvolveu uma ferramenta que aproveita as redes sociais para auxiliar os municípios na gestão do risco de enchentes. Saiba mais: https://goo.gl/YXg5fj

Publicado por CEPID - CeMEAI em Terça-feira, 15 de janeiro de 2019

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

André Ponce de Leon Carvalho escreve para O Globo

Pesquisador divulga temas relacionados à Inteligência Artificial

 

andre 2

 

A coluna Ciência & Matemática do O Globo publica artigos de divulgação científica para estimular a Ciência no Brasil. O blog é do diretor-adjunto do Instituto de Matemática Pura Aplicada (Impa), Cláudio Landim, que também é membro da Associação Brasileira de Matemática e fez o convite para o professor e vice-diretor do ICMC/USP e pesquisador principal do CEPID-CeMEAI André Carlos Ponce de Leon Ferreira de Carvalho escrever artigos sobre Inteligência Artificial e temas relacionados.

Especialista na área com inúmeras publicações e vários livros escritos, o pesquisador tem participação mensal na coluna. Nos dois primeiros artigos apresentou os principais conceitos e ideias relacionados à Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina. Também escreveu sobre a importância crescente da Inteligência Artificial na vida das pessoas.

“O Brasil não acordou ainda para a importância da Ciência para a sociedade e a economia. Alguns países definiram estratégias para assumir o protagonismo mundial na Inteligência Artificial. O Brasil não tem dado atenção ao tema. Este é um canal muito importante para popularizar a ciência, explicando alguns temas científicos atuais de uma maneira mais informal, divulgando a ciência para a população”, comentou.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Inteligência Artificial é usada para criar tecnologias e novos vidros

jornal da usp

O vidro é um material muito utilizado na produção dos mais variados objetos: copos, telas, janelas, paredes, próteses oculares e muitos outros itens o têm como principal componente. Pensando na importância desse material, alguns grupos de pesquisadores iniciaram estudos acerca do uso da matemática para produzir essa substância e do uso da Inteligência Artificial para antecipar algumas de suas características.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Redes neurais abrem nova fronteira no desenvolvimento de vidros

 

LogoUFSCar

 

Os vidros podem ser obtidos a partir de composições incluindo quase todos os elementos da tabela periódica, que geralmente passam por um processo de aquecimento e fusão e, depois, de resfriamento rápido. Essa vasta faixa de composição química possível resulta em grande variação também nas propriedades mecânicas, óticas, térmicas, elétricas e químicas entre vidros com diferentes composições. Com isso, esses materiais têm grande relevância para um vasto universo de aplicações. No entanto, esse universo abrangente de possibilidades gera também grandes desafios.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Inteligência artificial para desenvolver novos vidros

 

logosbpmat

 

Os vidros, materiais que estão presentes em uma vasta diversidade de produtos, desde uma garrafa de vinho até um implante dentário, poderão fazer novas contribuições à qualidade de vida dos seres humanos e animais, e à preservação do planeta. De fato, até o momento, cerca de 400 mil (4 x 105) fórmulas de vidros foram produzidas e publicadas, enquanto 1052 novos vidros poderão ainda ser desenvolvidos utilizando combinações possíveis entre 80 elementos amigáveis da tabela periódica.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa.

Pesquisa auxilia Polícia Ambiental de Itapetininga a monitorar áreas desmatadas

Sistema computacional de processamento inteligente de imagens já está operando na região

 

Pesquisa auxilia Polícia Ambiental de Itapetininga a monitorar áreas desmatadas

Uma pesquisa coordenada por um membro do CEPID - CeMEAI utiliza ciência de dados para auxiliar a Polícia Ambiental de Itapetininga/SP a detectar áreas desmatadas com mais eficiência e rapidez. Conheça o projeto: https://goo.gl/3LoViu

Publicado por CEPID - CeMEAI em Terça-feira, 30 de outubro de 2018

 

Utilizar ferramentas computacionais para atacar problemas do meio ambiente é a proposta de um projeto que tem o apoio do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e da FATEC de Capão Bonito e coordenação do pesquisador Carlos de Oliveira Affonso, professor da Unesp/Itapeva/SP. 

Um programa computacional está sendo desenvolvido junto ao comando da 6ª Cia da Polícia Ambiental de Itapetininga, interior de São Paulo, com principal objetivo de auxiliar na detecção de áreas desmatadas.

Os pesquisadores utilizaram bases de dados conhecidas para desenvolver o sistema que identifica áreas críticas com perdas de vegetação nativa e diferenças de cobertura vegetal. O programa automatiza com agilidade e maior eficácia o trabalho que atualmente é feito de forma visual pelos policiais.

“Nós reescrevemos o programa baseado nas experiências que temos em outras bases de dados, rodamos com resultados de bases de dados reais e tivemos os primeiros resultados. Será possível atacar já nas áreas específicas em que existe um potencial de perda de vegetação. Então, nós pretendemos ganhar em velocidade e também em um ataque mais estratégico a essas áreas críticas, não havendo necessidade de fazer varredura uma a uma”, comentou Affonso.

Ainda segundo o pesquisador programa leva em torno de 40 segundos para analisar uma área de 1 km². “Um operador humano leva muito mais tempo, além do programa de computador ter mais referências, o que é muito mais eficiente do que um olho humano pode fazer”, observou.

O Capitão da Polícia Ambiental Jeferson Souza explica que para cobrir uma área de 26 municípios, com quase 20 mil quilômetros quadrados, o policial militar que trabalha com monitoramento levaria um tempo considerável na visualização dos quadrantes até concluir uma suspeita de desmatamento em determinada área. “E muitas vezes, a equipe vai até a área e a realidade é diferente da visualizada ou trata-se de uma área de extração legal de vegetação”, comentou o Comandante.

Ele lembra ainda que a ciência da computação pode ser uma importante aliada nas autuações. “Normalmente, as pessoas tendem a dizer que não incorreram em infrações, mas com um sistema desses, dificilmente, a pessoa vai conseguir ganhar algum tipo de recurso porque são registros conclusivos de que havia em um dado momento uma vegetação ali, e em outro momento, essa vegetação não está mais. Se a pessoa possui licença pra fazer a retirada, está autorizada, mas caso contrário, ela vai ser autuada também com base no programa”.

Em outra etapa, o programa ainda poderá auxiliar na identificação da origem das madeiras apreendidas durante as operações policiais. Será baseado no software NeuroWood que já auxilia empresas madeireiras na classificação de produtos quanto à qualidade e outras características.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Trabalho de pesquisador do CeMEAI recebe prêmio internacional

Artigo foi condecorado em conferência na Malásia

 

papa
João Paulo Papa, da Unesp e do CeMEAI

 

A cidade de Kuching, na Malásia, recebeu no último mês de julho a 2ª edição da International Conference on BioSignal Analysis, Processing and Systems (ICBAPS 2018). O evento teve o objetivo de fornecer possibilidades de diálogos e trocas de experiências entre pesquisadores e membros da indústria da área de processamento, análise e sistemas de biossinais.

A conferência contou com uma premiação para o melhor artigo apresentado e o vencedor foi “An Efficient Optimization Technique of EEG Decomposition for User Authentication System", que tem como um de seus autores o professor João Paulo Papa, da Faculdade de Ciências da Unesp em Bauru e pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI).

“O objetivo do trabalho é estudar técnicas de identificação biométrica de pessoas utilizando sinais de eletroencefalograma. O trabalho é feito em parceria com pesquisadores da Malásia, da Jordânia e do Iraque, que atuam na parte de aquisição de dados, e eu contribuo com a parte das técnicas de otimização e aprendizado de máquina”, destaca Papa.

Uma vertente do trabalho já havia sido publicada no World Congress on Computational Intelligence, que foi realizado no Rio de Janeiro também em julho deste ano. “Neste trabalho, propusemos uma técnica para melhorar a qualidade do sinal de eletroencefalogramas que, posteriormente, pode ser utilizado para a identificação de pessoas. Agora, estamos preparando uma versão final ampliada”, explica o pesquisador.

Os próximos passos do trabalho, segundo o professor, são investigações mais profundas de técnicas que podem ser aplicadas. “Por enquanto, ainda não discutimos a possibilidade de desenvolver um software. Estamos desenvolvendo a técnica computacional e iremos focar nos estudos de outras técnicas para melhorar a qualidade do sinal e técnicas de aprendizado de máquina que podem melhorar a eficácia no processo de identificação das pessoas”, finaliza.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

exame

 

A fim de diminuir os acidentes e as mortes que ocorrem todos os anos no trânsito no Brasil, estudantes de engenharia da USP de São Carlos criaram um aplicativo baseado em gamificação para diminuir acidentes de trânsito.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

ag fapesp logo alt

A fim de diminuir os acidentes e as mortes que ocorrem todos os anos no trânsito no Brasil, estudantes de engenharia da USP de São Carlos criaram um aplicativo baseado em gamificação para diminuir acidentes de trânsito.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Página 1 de 7