Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish
g1

 

Três universidades da região desenvolveram programas na internet que ajudam professores e alunos de todas as idades aprender duas matérias importantes e complicadas: matemática e português.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

eptv logo

Você já ouviu falar em gamificação? É um nome que não é tão comum assim. É uma forma de motivar, fazer tarefas que a gente considera chatas de uma forma bem mais atraente. Pode ajudar na leitura das crianças, nos estudos, como o ENEM, e até no trabalho. 

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

Sensor inteligente de insetos

logo record

Pesquisadores da USP em São Carlos criaram um sensor inteligente de insetos. A armadilha possui baixo custo e pode ser usada para resolver problemas de saúde pública. Por exemplo, o mosquito da dengue e até pragas que atrapalham na agricultura. A previsão é de que o projeto termine em dois anos.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

Saving Crops and People with Bug Sensors

 

ucr today

 

 

University of California, Riverside researchers have created a method that can classify different species of insects with up to 99 percent accuracy, a development that could help farmers protect their crops from insect damage and limit the spread of insect-borne diseases, such as malaria and Dengue fever.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Drones sobre o campo

pesquisa fapesp

Avanços recentes em áreas da tecnologia da computação, associados ao desenvolvimento de sistemas globais de navegação e geoprocessamento, estão ampliando as perspectivas de uso dos veículos aéreos não tripulados, os drones, na agricultura. Relativamente baratas e fáceis de usar, essas aeronaves, equipadas com sensores e recursos de imagem cada vez mais eficientes e precisos, podem auxiliar agricultores a aumentar a produtividade e reduzir danos em lavouras por meio de levantamentos de dados que permitem detectar pragas e estimar o índice de crescimento das plantas, para citar alguns exemplos.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

tv tem

Alunos e professores da Unesp de Itapeva desenvolveram um software capaz de identificar a qualidade da madeira desde a textura, passando pelos nós, até a coloração. A nova tecnologia vai ajudar a agilizar o processo de classificação do material e, em breve, deve ser implantada nas indústrias.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

eptv logo

Eles estão a cada dia mais conhecidos e também mais promissores. Os VANTs - veículos aéreos não tripulados - movimentam um mercado que está em expansão. A regulamentação está em fase de análise pela Agência Nacional de Aviação Civil, mas o setor está cheio de novidades e empregos.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

 

Parceria entre CeMEAI e Electrolux auxilia na produção de eletrodomésticos

Desenvolvimento de software trará maior eficiência ao planejamento e ao processo produtivo

electro          electro2

Por intermédio do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), acaba de ser celebrado, entre a empresa fabricante de eletrodomésticos Electrolux e a USP de São Carlos, um convênio visando à execução de um projeto de pesquisa para desenvolvimento de um software de apoio ao planejamento da linha produtiva.

O Prof. Dr. Paulo César Masiero (CeMEAI) e Marcelo da Silva Varreira (Electrolux) serão responsáveis pela coordenação técnica e administrativa do Convênio.

“A meta deste projeto é desenvolver um software para apoiar o planejamento da linha de produção dos produtos produzidos pela Electrolux em São Carlos, substituindo a planilha eletrônica atualmente usada para esse fim”, explicou o pesquisador.

Ainda segundo Masiero, em um primeiro momento, espera-se que, com o software, haverá mais flexibilidade para programar e modificar a linha, o que ocorre com grande frequência. “Posteriormente, a partir do momento em que o software estiver em uso e com programas de produção disponíveis no banco de dados, outros problemas de pesquisa poderão ser atacados usando dados reais, buscando algoritmos que possam otimizar o planejamento efetuado manualmente e também levar em conta alguns tipos de restrições impostas por características da linha e dos operadores dos postos de trabalho”, concluiu.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras seis instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Raquel Vieira - Assessoria CEPID-CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisa do CeMEAI utiliza VANT em pulverizações

Estudo busca automatizar a tarefa do despejo de agrotóxicos

 

No campus da USP - Universidade de São Paulo em São Carlos, pesquisadores do CEPID - CeMEAI desenvolveram um modelo de veículo aéreo não tripulado (VANT) que pode ajudar os agricultores. Saiba mais: http://goo.gl/jmcgrs

Publicado por CEPID - CeMEAI em Sexta, 22 de janeiro de 2016

Os veículos aéreos não tripulados (VANTs) têm se desenvolvido bastante na última década e podem ser usados em diversas tarefas. No campus da USP em São Carlos, pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) desenvolveram um modelo que pode ajudar os agricultores.

A ideia do estudo orientado pelo professor Jó Ueyama, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) e pesquisador do CeMEAI, é criar um equipamento que faça pulverizações sem depender de uma pessoa para controlá-lo. Utilizando a inteligência computacional, o VANT é monitorado por uma central eletrônica, que faz todos os cálculos necessários para despejar o agrotóxico no local exato e não poluir o meio-ambiente. “São vários agentes envolvidos, como um anemômetro, para medir a velocidade e a direção do vento, e uma estação base. Todos eles conversam entre si para fazer com que o agrotóxico caia na região correta”, conta Heitor Freitas, aluno de doutorado do ICMC.

Outro doutorando envolvido na pesquisa é Bruno Faiçal, também do ICMC. Ele explica como os testes funcionam: “Os voos são pré-programados. Nós estabelecemos uma rota desejada e passamos para o computador de bordo do VANT. No local onde o teste é realizado, nós só o colocamos no ar e, sozinho, ele segue a rota pré-estabelecida”.

Com o voo programado e a rota determinada, o VANT é capaz de despejar o agrotóxico apenas na área desejada e de forma autônoma, já que o equipamento calcula as variações do vento e da umidade do ar e compensa essas forças para que a margem de erro seja mínima.

O equipamento ainda não está finalizado. A cada cinco dias, Freitas e Faiçal fazem testes no campo de futebol da USP para aprimorar o dispositivo. O sistema do VANT em desenvolvimento pesa 1kg, carrega até 2,5kg de agrotóxico e tem autonomia de voo de aproximadamente 30 minutos.

A intenção dos pesquisadores é incorporar a ideia em aeronaves pulverizadoras maiores. “Esse aqui é um protótipo menor, para testarmos a ideia. O objetivo é levar para uma aeronave maior, que cubra uma área maior” frisa Freitas. E os pesquisadores já estão buscando apoio para isso. “Nós já estamos em contato com uma empresa norte-americana para esse fim e esperamos conseguir financiamento para uma aeronave maior”, finaliza Faiçal.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras seis instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Estudo possibilita a detecção automática de vazamentos em redes de água

Pesquisa tem participação de professor do CeMEAI

 

Um estudo de doutorado de uma aluna da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC-USP), em parceria com um pesquisador do CEPID - CeMEAI, busca detectar automaticamente vazamentos em redes de distribuição de água. Entenda: http://goo.gl/9VCjGB

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quinta, 17 de dezembro de 2015

Um projeto de doutorado desenvolvido por uma aluna da USP em São Carlos promete criar um método que identifique a ocorrência de vazamentos em redes de distribuição de água de forma automática. Maria Mercedes Gamboa é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) e vem desenvolvendo e testando o método na rede de distribuição da cidade de Araraquara, abastecida pelo Departamento Autônomo de Água e Esgotos (DAAE).

O estudo faz parte de um convênio da USP com o DAAE. A parceria é coordenada pela professora Luisa Fernanda Ribeiro Reis, do Departamento de Hidráulica e Saneamento (SHS) da EESC, que é também orientadora da aluna. “A ideia do convênio é que eles cedam os dados dos sistemas deles para nós e, assim que produzimos resultados, disponibilizamos para que eles utilizem”, relata a professora.

O método se baseia na aplicação de técnicas de aprendizado de máquina usando os dados obtidos continuamente na rede. Para obter os dados da pressão da água nas tubulações, Maria instalou, com a ajuda do DAAE, nove sensores em diferentes pontos da cidade: Jardim Panorama, Vila Suconasa, Vila Melhado, Vila Normanda, Jardim Nova Época, Jardim Residencial Água Branca, Yolanda Ópice e Jardim Paulista. Todos fazem parte do setor Martinez, que abastece cerca de 18 mil habitantes.

Os sensores foram instalados especialmente para a pesquisa de Maria. “Foram feitas adaptações simples do ponto de vista técnico. Foram construídos pelo DAAE nove poços de visita e, dentro deles, nas redes, foram adaptados registros que permitem a conexão dos sensores de pressão”, explica Fernando Lourencetti, gerente de manutenção elétrica e mecânica do DAAE.

Os valores de pressão continuamente medidos constituem o banco de dados que é necessário para o modelo, e que se atualiza semanalmente durante a atual etapa do estudo.“Os sensores de pressão têm memória interna e medem os valores continuamente, registrando os valores a cada dois minutos. Eles conseguem armazenar mais ou menos uma semana de dados. Por isso, toda semana eu venho para Araraquara para transferir os dados para o computador”, conta Maria. A ideia é que, no futuro, essa tarefa seja automatizada.

As informações recolhidas são levadas de volta para São Carlos e analisadas pela aluna com a ajuda de ferramentas computacionais propostas pelo professor Rodrigo Mello, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP e pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI). “A minha parte é contribuir com a modelagem dos dados que a Maria obtém em Araraquara. Cada sensor produz uma série temporal, e essas séries são usadas para montar o modelo que pode detectar momentos em que há ou não o inicio de um vazamento”, esclarece Rodrigo.

Durante a análise dos dados, surgem inicialmente, na tela do computador, gráficos de pressão ao longo do tempo. Uma diminuição da pressão é, possivelmente, um indicativo de vazamento. Mas nem sempre é assim. A diminuição pode ter sido provocada por motivos diferentes ou também ficar mascarada pelas variações normais na rede. Por isso, a função do modelo matemático é distinguir as variações que de fato correspondem a um vazamento das variações que não correspondem. “Nós temos que encontrar limiares para indicar o que é normal e o que não é normal. Um dos componentes da série temporal permite essa análise com uma precisão maior”, conta o pesquisador.

O estudo ainda está em estágio de desenvolvimento, mas Maria já espera que o método, quando finalizado, possa ser usado em qualquer rede de abastecimento de água. “O objetivo do doutorado é criar o método. O que estamos fazendo em parceria com o DAAE é um estudo piloto para obter os dados e desenvolver esse método. Mas o objetivo é que a metodologia fique aberta, disponível para quem quiser implementá-la não só na cidade de Araraquara, mas no Brasil e no mundo todo”, frisa. Para o futuro, a ideia é que os sensores sejam interligados online com o sistema do DAAE e avisem, em tempo real, quando há a suspeita do início de um vazamento, o que diminuiria drasticamente o tempo de reparação do problema e o consequente desperdício de água.

Para Fernando, a pesquisa pode ajudar muito o setor de perdas do DAAE a diminuir a quantidade de água desperdiçada. “Atualmente, com as perdas em torno de 40%, há a necessidade de se buscar novas alternativas, novas tecnologias para baixar esse número. Com essa pesquisa, será possível buscar as perdas de uma forma muito mais rápida do que a usada atualmente”, finaliza.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP. O CeMEAI é especialmente adaptado e estruturado para promover o uso de ciências matemáticas (em particular matemática aplicada, estatística e ciência da computação) como um recurso industrial.

As atividades do Centro são realizadas dentro de um ambiente interdisciplinar, enfatizando-se a transferência de tecnologia e a educação e difusão do conhecimento para as aplicações industriais e governamentais. As atividades são desenvolvidas nas áreas de Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC, o CEPID-CeMEAI conta com outras seis instituições associadas: o Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de São Carlos (CCET-UFSCar); o Instituto de Matemática Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas (IMECC-UNICAMP); o Instituto de Biociências Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (IBILCE-UNESP); a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT-UNESP); o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE); e o Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP).

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página 6 de 7