Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Pesquisas são apresentadas para convênios com a prefeitura de São Carlos

Contribuições viriam nas áreas de coleta de resíduos e prevenção de alagamentos

 

enoe

 


O secretário municipal de Desenvolvimento Sustentável, Ciência e Tecnologia de São Carlos, José Galizia Tundisi, recebeu na sexta-feira, dia 9 de novembro, membros do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) para conhecer pesquisas que poderiam contribuir com melhorias no município como prevenção de enchentes ou otimização da coleta e gestão dos resíduos de lixo.
 

Representaram o CeMEAI o coordenador de Transferência Tecnológica, Francisco Louzada Neto, o gestor de Educação e Difusão do Conhecimento, Gustavo Blengini Faria, o pesquisador da área de inteligência computacional Jó Ueyama e a pesquisadora Caroline Godoy.

O primeiro projeto apresentado foi o Sistema de Gestão de Resíduos Sólidos (SISGERES). Trata-se de um sistema desenvolvido em plataforma de software livre que pode ser customizado para demandas de prefeituras ou empresas interessadas em melhorar a gestão dos resíduos sólidos gerados e se adequarem às leis vigentes.  “Desenvolvemos um sistema com base matemática e estatística que permite captar e analisar, em tempo real, informações sobre volume, origem, destino, reciclagem, entre outras, subsidiando iniciativas do município”, explicou Francisco Louzada Neto.

“Temos muito interesse na concretização dessa parceria com a prefeitura de São Carlos. Será uma oportunidade ímpar de vermos nossos esforços tecnológicos se transformando em política pública baseada em evidências”, opinou Louzada.

 

Alerta contra enchentes

E contribuir com os municípios em ações de prevenção e alerta contra alagamentos é a proposta de uma pesquisa também apoiada pelo CeMEAI e coordenada por Jó Ueyama que resultou no e-Noé, uma rede de sensores sem fio para monitorar rios e córregos urbanos. O dispositivo já pode ser operado e é formado por um conjunto de sensores submersos instalados em vários pontos do rio sujeitos a alagamentos.

Segundo Ueyama, o e-Noé já foi testado com bons resultados nos córregos Monjolinho e Tijuco Preto, de São Carlos, que costumam transbordar, e continua sendo aprimorado.

Na apresentação à prefeitura os resultados da pesquisa foram apresentados. Os sensores detectam alterações na altura da coluna d’água. Câmeras registram o nível das águas e as informações podem ser acessadas pela Defesa Civil.

 “Não há necessidade de ir até a estação para extrair dos dados, essa tecnologia disponibiliza as informações em tempo real para uma conexão de nuvem e o sistema pode emitir alertas de enchentes automaticamente”, explicou o pesquisador.

O sistema também permite incorporar sensores de poluição que poderiam monitorar a qualidade da água.

Segundo Jó Ueyama a reunião foi importante para estreitar laços de transferência tecnológica com a Prefeitura de São Carlos, solicitar a limpeza das áreas assoreadas próximas do local onde os sensores estão instalado e requerer a energização dos pontos de sensores que agora encontram-se em funcionamento. “Foi muito importante o encontro para a consolidação da parceria e para aproximação da IES como a USP com as frentes que proverão serviços para a população brasileira”, finalizou.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira- Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fórum na Unicamp discutirá Agricultura 4.0

Fórum na Unicamp discutirá Agricultura 4.0

Jó Ueyama é palestrante no evento sobre Internet das Coisas e produtividade

 

jo

 

No próximo dia 14 de setembro a Faculdade de Engenharia Agrícola – FEAGRI/Unicamp, com a coordenação do Prof. Dr. Luiz Henrique Antunes Rodrigues, promoverá no Auditório do Centro de Convenções da Unicamp, das 9 às 17h, o Fórum "Agricultura 4.0: Internet das Coisas e o aumento da produtividade agrícola".

O evento tratará da necessidade de aumento na eficiência da agricultura e o melhor uso de recursos para o aumento de produção de modo sustentável, com redução nos custos e nos impactos ambientais.

Dois recentes avanços nas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) permitem contornar esses fatores: as Redes de Sensores Sem Fio (WSN, da sigla em inglês para “Wireless Sensor Network”) e a Análise de Dados (“Analytics”). Estas duas tecnologias, juntamente com a disponibilidade da Internet e computação em nuvem, são a base para a Internet das Coisas (IoT, da sigla em inglês para “Internet of Things”). “Internet das Coisas” é uma tecnologia já difundida nas indústrias de manufatura, a chamada ‘Indústria 4.0’ e, aos poucos, também no setor agroindustrial, a chamada ‘Agricultura 4.0’.

Esta e outras tecnologias relacionadas, como ‘Ciência dos Dados’ e ‘Big Data’ são fundamentais na produtividade da agricultura e seu uso apresenta uma série de desafios tanto do ponto de vista da pesquisa, quanto da transferência de tecnologia.

Os organizadores do evento acreditam que para a viabilização do desenvolvimento dessas áreas é imprescindível a participação e integração de pesquisadores e profissionais de várias áreas, tais como Ciência da Computação, Engenharia Elétrica e Engenharia Mecatrônica, bem como Engenharia Agrícola e Agronomia.

Neste contexto, Jó Ueyama, do ICMC e pesquisador do CEPID-CeMEAI dará sua contribuição ao Fórum dividindo conhecimentos adquiridos em suas pesquisas e tecnologias desenvolvidas e  que se aplicam também ao campo.

Saiba mais sobre a programação acessando o link, onde os interessados também poderão fazer as inscrições.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisas resultam em pedido de patente e registro de software

Trabalhos de pesquisador do CeMEAI são na área de pulverização e enchentes

 

jo

 

Mais duas pesquisas que contam com o apoio do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI) foram oficialmente reconhecidas pela tecnologia e inovação.

Um dos trabalhos, registrado sob o nº BR1020160293537, resultou na criação de um equipamento que faz pulverizações sem depender de uma pessoa para controlá-lo. Utilizando a inteligência computacional, o VANT é monitorado por uma central eletrônica que faz todos os cálculos necessários para despejar agrotóxico em locais determinados por agricultores sem poluir o meio-ambiente.

O outro, de nº BR512016001777-5, diz respeito a um sistema que detecta enchentes e o nível de poluição em rios e córregos através de uma rede de sensores sem fio, permitindo que a população seja avisada sobre eventuais riscos.

O software, denominado e-NOE, foi registrado. Já a pesquisa com o VANT resultou em um pedido de patente. A coordenação das pesquisas é de Jó Ueyama, professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP) e pesquisador do CeMEAI.

“A importância de ter um pedido de proteção concedido é que você vê a evolução das pesquisas. É um reconhecimento, o selo de que os produtos tecnológicos produzidos são de fato inovadores”, comentou Jó.

Ainda segundo ele, a patente e o registro de software facilitam a interação com o mundo corporativo, pois os produtos tecnológicos produzidos já encontram-se devidamente protegidos com a propriedade intelectual e já podem ser comercializados.

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisadores da USP criam Estressômetro

rede familia

Um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), câmpus de São Carlos, desenvolveram um programa de computador capaz de identificar o humor dos usuários.  

Os pesquisadores estão providenciando a patente do "estressômetro", em breve a tecnologia chegue ao mercado.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

Estressômetro

Estressômetro

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Jó Ueyama, Gabriel Giancristofaro, Eduardo Vasconcelos, José Torres Neto e Leandro Mano

“Você pode estar nervoso, com sono ou cansado. Não acha melhor parar o veículo no próximo posto?”. Este poderia ser um alerta enviado a um motorista, caso o estressômetro estivesse operando em algum dispositivo próximo a ele.

Coordenada pelo pesquisador Jó Ueyama, da área de Inteligência Computacional do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI), com colaboração dos alunos Gabriel Giancristofaro, Eduardo Vasconcelos, José Torres Neto e Leandro Mano, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP), a tecnologia se baseia no desenvolvimento de um software que combina ferramentas comuns de dispositivos eletrônicos – reconhecimento da tonalidade da voz, câmera, sensores de movimento e de luminosidade – para monitorar o humor dos usuários, podendo detectar estresse elevado, sinais de depressão ou outros tipos de emoções.

Estressômetro desenvolvido no CeMEAI já é utilizado

Software monitora emoções dos usuários e auxilia em diferentes áreas de atuação

 

Imagine um sistema que perceba seu cansaço ao volante e te sugira uma pausa para descansar. Pesquisadores do CEPID - CeMEAI trabalham em um dispositivo que interpreta diversas emoções e pode ser aplicado a diversos contextos do dia-a-dia. Entenda: https://goo.gl/QZRNhX

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quinta, 17 de novembro de 2016

 

“Você pode estar nervoso, com sono ou cansado. Não acha melhor parar o veículo no próximo posto?”. Este poderia ser um alerta enviado a um motorista, caso o estressômetro estivesse operando em algum dispositivo próximo a ele.

Coordenada pelo pesquisador Jó Ueyama, da área de Inteligência Computacional do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI), com colaboração dos alunos Gabriel Giancristofaro, Eduardo Vasconcelos, José Torres Neto e Leandro Mano, do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP), a tecnologia se baseia no desenvolvimento de um software que combina ferramentas comuns de dispositivos eletrônicos – reconhecimento da tonalidade da voz, câmera, sensores de movimento e de luminosidade – para monitorar o humor dos usuários, podendo detectar estresse elevado, sinais de depressão ou outros tipos de emoções.

“Existem várias aplicações para este trabalho. Nosso intuito é colocar a tecnologia em um dispositivo como o smartphone. Pessoas ou empresas poderiam fazer uso para o reconhecimento das emoções, como o estresse e tantas outras, verificando em tempo real as reações dos usuários e podendo sugerir estratégias para lidar com o problema apontado de forma bastante confiável”, explica Ueyama.

O primeiro experimento real da pesquisa foi desenvolvido junto à Liga de Simulação Clínica e Tecnológica da Escola de Enfermagem da USP de Ribeirão Preto, com a parceria dos Professores Alessandra Mazzo e Gerson Alves Pereira Jr. Tal parceria está auxiliando no processo de avaliação de alunos durante as simulações de atendimentos a pacientes.

Ueyama comentou ainda sobre os desafios de integração da tecnologia, passando pelo intercâmbio entre a universidade e indústria. “Queremos que o Estressômetro possa estar em apps, por exemplo, ampliando a oferta de suas aplicações à população e empresas interessadas em seus benefícios, como o segmento de transportes que poderia monitorar e orientar seus motoristas”.

Confira publicações da Science Direct e da Revista FAPESP (pp. 62 e 63) sobre o projeto!

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Estudo sobre Trânsito em Rede é destaque na revista Pesquisa Fapesp

Jó Ueyama, pesquisador do ICMC-USP e CEPID-CeMEAI, é um dos desenvolvedores do sistema

 

jo

 

Recentemente, divulgamos uma pesquisa desenvolvida pelo CEPID-CeMEAI, por intermédio do professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (ICMC-USP), Edson Moreira, que menciona a utilização dos beacons na comunicação entre veículos, propiciando novos modelos de negócios à beira das rodovias.

A mais recente edição da revista Pesquisa Fapesp traz uma reportagem sobre Trânsito em Rede - sem conexão com a internet, o sistema que está sendo criado permite que veículos troquem informação sobre condição de tráfego em cidades.

O cientista da computação Jó Ueyama, pesquisador do ICMC-USP e também do CEPID-CeMEAI, e o aluno de doutorado Geraldo Pereira são desenvolvedores do sistema e co-autores neste projeto que tem como autor principal Rodolfo Meneguette, pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), campus Catanduva.

jo1jo2

 

“Nossa participação na pesquisa explora a inteligência computacional para detectar congestionamentos. Tal detecção ocorre usando a inteligência computacional nos dados obtidos dos veículos ao seu redor. Por isso, exploramos as comunicações entre veículos para obter tais dados. Consequentemente, a internet não é necessária porque "decidimos" entre os veículos no local se há ou não congestionamento neste lugar e sem consultar a internet”, comentou Ueyama.

Vale a leitura sobre esta nova concepção de veículos com tecnologias que permitem a coleta de informações em tempo real sobre uma série de possibilidades de aplicações e descobertas feitas por nossos pesquisadores.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Drones sobre o campo

pesquisa fapesp

Avanços recentes em áreas da tecnologia da computação, associados ao desenvolvimento de sistemas globais de navegação e geoprocessamento, estão ampliando as perspectivas de uso dos veículos aéreos não tripulados, os drones, na agricultura. Relativamente baratas e fáceis de usar, essas aeronaves, equipadas com sensores e recursos de imagem cada vez mais eficientes e precisos, podem auxiliar agricultores a aumentar a produtividade e reduzir danos em lavouras por meio de levantamentos de dados que permitem detectar pragas e estimar o índice de crescimento das plantas, para citar alguns exemplos.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

VANT pulverizador

VANT pulverizador

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Jó Ueyama, Bruno Faiçal

A ideia do estudo é criar um equipamento que faça pulverizações sem depender de uma pessoa para controlá-lo. Utilizando a inteligência computacional, o VANT é monitorado por uma central eletrônica, que faz todos os cálculos necessários para despejar o agrotóxico no local exato e não poluir o meio-ambiente.

São vários agentes envolvidos, como um anemômetro, para medir a velocidade e a direção do vento, e uma estação base. Todos eles conversam entre si para fazer com que o agrotóxico caia na região correta.

Os voos são pré-programados. Uma rota desejada é estabelecida e passada para o computador de bordo do VANT. No local onde o voo é realizado, o VANT só precisa de ajuda para ser colocado no ar. Sozinho, ele segue a rota pré-estabelecida.

O objetivo é levar o sistema para uma aeronave de grande porte, que cubra uma área maior.

eptv logo

Eles estão a cada dia mais conhecidos e também mais promissores. Os VANTs - veículos aéreos não tripulados - movimentam um mercado que está em expansão. A regulamentação está em fase de análise pela Agência Nacional de Aviação Civil, mas o setor está cheio de novidades e empregos.

 

CLIQUE AQUI para assistir à reportagem!

 

Página 1 de 2