Portuguese Chinese (Simplified) English French German Italian Japanese Russian Spanish

Estudo estima que um brasileiro pode ser salvo a cada quatro minutos com isolamento

Simulação matemática mostra mortes que poderiam ser evitadas no Brasil e por regiões

 

vidas salvas

 

O isolamento social tem sido um dos assuntos mais discutidos na pandemia. Efetivamente, ele salva vidas? Era essa resposta que os pesquisadores do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) Paulo J. S. Silva e Claudia Sagastizábal queriam ter quando iniciaram um estudo matemático em colaboração com Tiago Pereira e Alexandre Delbem e que resultou em uma página que pode ser consultada pela população.

O grupo fez ajustes do modelo SEIR, que representa a taxa de replicação do vírus SARS-CoV-2 (o coronavírus que causa a Covid-19), tentando descobrir se ele varia no tempo. A ideia era buscar identificar tendências na evolução da taxa de propagação do vírus e consequente aceleração ou desaceleração da epidemia depois do início dos protocolos de distanciamento social que foram implementados a partir de 24 de março.

“Fizemos a análise para o país todo e depois especializamos os resultados para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Maranhão e para todas as grandes regiões do país”, explicou Paulo J. S. Silva, professor do IMECC/Unicamp.

Muito se discute sobre os reais números da pandemia no Brasil e no mundo, no entanto, os resultados da pesquisa estão baseados nos dados oficiais baixados a partir do site Observatório Covid-19 BR. “Esses dados sofrem de clara subnotificação e assim, as nossas estimativas serão também seguirão subestimadas. Porém, acreditamos que mesmo assim é possível ter uma ideia da evolução da epidemia e ser útil”.

O estudo considerou vidas que seriam salvas com o isolamento social nos próximos 14 dias (a partir de 04/05/20) e concluiu: 84 (06/05), 111 (07/05), 141 (08/05), 176 (09/05), 216 (10/05), 259 (11/05), 310 (12/05), 367 (13/05), 430 (14/05), 502 (15/05), 583 (16/05), 673 (17/05), 774 (18/05), 887 (19/05).

“Dessa forma, até o dia 19 de maio, seriam salvas 5.513 vidas o que dá aproximadamente uma vida a cada 4 minutos”, explicou o autor lembrando ainda que a página atualiza as projeções automaticamente a cada dia. “Logo, esses números simulados em 06/05 irão mudar de acordo com a divulgação diária dos dados oficiais do site Observatório Covid-19 BR”.

Paulo comenta ainda sobre a análise feita levando em consideração estudos específicos para cada região do país. “O distanciamento social parece ter sido efetivo quando consideramos o Brasil inteiro, mas vem perdendo força o que é preocupante. Essa é a tendência no Sudeste, que concentra a maior parte dos casos e também no Centro-Oeste. No Norte e Nordeste, que já possuem regiões onde o sistema de UTIs está acima da capacidade, parecem ter entendido a dimensão do problema e passaram a adotar um distanciamento mais efetivo. Na contra mão está o Sul, que sofreu um forte pico de casos reportados recentemente com causas a serem estudadas”, concluiu.

Claudia Sagastizábal (IMECC/Unicamp) comentou ainda sobre as curvas que de uma forma geral foram achatadas. “Objetivamente, esse estudo mostra a eficiência do isolamento e se torna preocupante quando analisamos os picos previstos pelo modelo SEIR que ainda são extremamente altos. Isso sugere que é imperativo que os governos busquem alternativas de controle da epidemia para não enfrentemos colapsos nos sistemas de saúde em breve”.

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisa otimiza estoques de EPIs em hospitais durante pandemia de COVID-19

Modelos preditivos auxiliam no planejamento e manutenção segura dos insumos

 

img estoque

Resultado de uma união de esforços, de pesquisadores dos laboratórios de Estatística e de Otimização (ICMC/USP), Centro de Estudos de Risco (CER), Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e iniciativa privada, por intermédio da empresa de soluções digitais para gestão de processos em saúde, Bionexo, nasceu um projeto desafiador que está utilizando a matemática como um auxílio na tomada de decisão dos hospitais, ao lidar com as consequências da pandemia de COVID-19.

O principal objetivo deste trabalho que utiliza dados reais é acomodar a demanda explosiva e fornecer aos hospitais meios para possíveis realocações de recursos, principalmente os EPIs, que se tornam limitados diante da pandemia.

Segundo um dos coordenadores do trabalho, Francisco Louzada Neto, a intenção é construir modelos preditivos para a demanda de insumos em hospitais atendidos pela empresa e com essas previsões propor métodos para a movimentação otimizada desses insumos entre hospitais, com a garantia de um estoque mínimo e, consequentemente, sem acarretar a falta dos mesmos no hospital em um determinado período de tempo.

“Estamos trabalhando com dados históricos da utilização de insumos e outras variáveis como taxa de internação, frequência no pronto atendimento, número de leitos disponíveis, entre outras. O modelo estatístico a ser desenvolvido se baseia na demanda hospitalar, o que envolve o entendimento da curva da doença/previsão de internações, bem como o material utilizado para atender essa previsão, fornecidos pelos hospitais ou pela empresa parceira”, explicou Louzada.

A pesquisadora Maristela de Oliveira Santos, que também coordena o trabalho, comenta que o aumento demasiado da procura fez com que a empresa identificasse não apenas crescimento na demanda nos hospitais, mas o aumento de preços de muitos insumos. Assim, existe a necessidade de desenvolver ferramentas para a manutenção inteligente de estoque, de forma que não faltem esses insumos para os hospitais.

“Esta ferramenta auxilia os gestores na estimativa do montante seguro necessário em estoque dos suprimentos, permitindo o intercâmbio e a cooperação entre hospitais e colaborando para a tomada de decisão sobre a compra de insumos durante a pandemia. Os modelos estatísticos propostos por este projeto acomodam características e estratégias assumidas de acordo com a especialidade clínica do hospital, bem como pela dinâmica da epidemia em cada cidade de operação. Tais modelos visam fazer previsões destinadas a estimar o nível de segurança no estoque para cada insumo desejado”, complementou Maristela.

A pesquisadora e professora do ICMC/USP Cibele Maria Russo Novelli também explicou que para os testes iniciais do modelo, a equipe considerou o consumo dos EPIs em hospitais levando em conta a mudança de padrão provocado pelo atendimento de pacientes com Covid-19, cujas características foram obtidas por meio de dados fornecidos pela empresa e também pelas séries históricas de consumo destes insumos em períodos anteriores a doença. “Geralmente um hospital com um número determinado de leitos aloca os pacientes em três categorias: Unidade de Internação (UI), Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Pronto-Atendimento (PA). Pacientes nas UIs encontram-se em estado não crítico, enquanto pacientes nas UTIs estão em estado crítico e por isso requerem mais profissionais e insumos.  Com o aumento no número de pacientes com COVID-19, caso seja necessário, leitos de UI são convertidos em UTI. Um percentual de pacientes que chegam ao PA podem ser internados em UI ou UTI, dependendo da gravidade dos sintomas. Desses, alguns precisam de cuidados intensivos e equipamentos especiais como ventiladores pulmonares. A demanda por profissionais e insumos é calculada separadamente com base na quantidade de pacientes que passa pelo pronto atendimento e nas demais unidades do hospital e podem ser adaptadas de acordo com o tamanho de cada hospital”, explicou.

Francisco Louzada observou ainda que com essas informações, os modelos preditivos indicam a tendência de aumento do consumo de cada insumo ao longo do tempo dadas as observações, bem como o momento em que atinge o limite máximo, considerando a ocupação total do hospital e quanto tempo permanecerá neste limite. “Dessa forma, é possível mensurar quando atinge um platô de consumo, sua duração e quando sairia e voltaria a apresentar consumos, conforme as características usuais do hospital”, finalizou Louzada.

Esta não é a primeira vez que a empresa Bionexo e pesquisadores do CEPID-CeMEAI desenvolvem soluções conjuntamente. Após a participação da empresa no Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais, agora, o desafio é apoiar os hospitais no enfrentamento da doença.

Para Denis Neves, Head de Analytics da Bionexo, esta aproximação com a academia é de grande valor para produzir soluções para problemas reais do mercado, especialmente em momentos críticos como este de pandemia.

“A Bionexo está conectada a uma rede de cerca de 2 mil hospitais e opera no Brasil e América Latina. A maioria dos nossos clientes está com dificuldade em planejar suas compras, principalmente insumos como máscaras, álcool em gel e produtos de grande demanda, fica difícil estimar quantas unidades adquirir, levando também em consideração os aumentos de preço e procura.  Muitos hospitais compraram muito, enquanto outros, estão com dificuldades em abastecer os estoques”, explica.

“Pelo histórico de consumo dos clientes nós conseguimos saber se um hospital está com muito estoque e, esta, é a principal contribuição da Bionexo no Projeto. Dada esta interação com hospitais, conseguimos colaborar com a obtenção desses dados de consumo e auxiliar para que os pesquisadores trabalhem nessa modelagem preditiva, conseguindo confrontar o estoque atual de um determinado hospital e quais vão ser as necessidades dele nos próximos dias ou semanas”, disse.

Ainda segundo Denis, com base nessa predição será possível saber quais os locais que terão ou não problemas de abastecimento de insumos. “A proporção de valor está aí. Todos os hospitais sabem que precisam de estoques maiores, mas não sabem dimensionar o quanto. Com o estudo, vamos conseguir dar aos nossos clientes a visibilidade de como esse consumo vai se comportar no futuro próximo”.

Denis lembra ainda a importância da segunda parte da parceria. “A ideia é conseguir remanejar esses estoques de um hospital a outro, claro se houver decisões voluntárias para isso e dessa forma, equilibrar o atendimento aos pacientes”, concluiu.

O estudo também conta com a colaboração de Oilson Alberto Gonzatto Jr e  Marcos Jardel Henriques, doutorandos em Estatística  ICMC/USP e UFSCar, Caio Tomazella doutorando em Ciências da Computação e Matemática Computacional ICMC-USP , Diego Nascimento doutor em Estatística  ICMC-USP/UFSCar,  Maurício Barbosa, Presidente do Conselho de Administração da Bionexo,  Evelyn Bertazo Gerente de Customer Success da Bionexo, Diego Assad Leite Coordenador de Costumer Development da Bionexo  e Rafaela Guerra, Chief Medical Officer da Apus.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Modelo de otimização contribui com sustentabilidade na agricultura

Ações são sugeridas aos produtores visando resultados econômicos e ambientais

 

Modelo de otimização contribui com sustentabilidade na agricultura

Uma tese de doutorado orientada pelo professor Geraldo Silva, do Ibilce/Unesp e pesquisador do CEPID - CeMEAI, desenvolveu um modelo de otimização que contribui com a sustentabilidade na agricultura. Entenda melhor o trabalho:

Publicado por CEPID - CeMEAI em Terça-feira, 3 de março de 2020

 

A tese denominada Arquitetura de Controle para Gestão de Recursos na Agricultura de Precisão, do aluno de doutorado Ismael Pena, do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista (Unesp/ São José do Rio Preto) é uma importante contribuição para o meio ambiente.

Orientada pelo professor Geraldo Nunes Silva - que é também pesquisador do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), ela investiga um paradigma de controle para a gestão coordenada de recursos na agricultura, em um contexto em que diversas unidades de produção que buscam o máximo retorno econômico em cada ciclo de produção são articuladas de forma a garantir a sustentabilidade ambiental e econômico-social de longo prazo.

“Para isso, utilizamos um esquema de controle com dois níveis em que no nível inferior, são resolvidos problemas de controle ótimo com restrições para cada uma das unidades de produção e no nível superior, utiliza-se um novo paradigma de Controle Preditivo para promover a coordenação global no sentido de assegurar a sustentabilidade ambiental no longo prazo”, explica Ismael.

Ainda segundo ele, a novidade deste esquema de MPC com relação aos convencionais consiste no fato de que o modelo do sistema dinâmico associado não está definido a priori, mas surge das decisões de gestão e controle de cada uma das unidades de produção. Além do estudo de algumas propriedades importantes, foi demonstrada a existência de solução global que resulta da convergência do esquema global, assim como a estabilidade assintótica do mesmo.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Dissertação de MECAI possibilita gastar menos com impostos para exportação

Trabalho de otimização reorganiza notas para que empresas não percam isenções fiscais

 

Dissertação de MECAI possibilita gastar menos com impostos para exportação

Um trabalho desenvolvido no Mestrado Profissional em Matemática, Estatística e Computação Aplicadas à Indústria (MECAI), do CEPID - CeMEAI e do Icmc Usp, aborda a possibilidade de economia com impostos para importação. Conheça o trabalho:

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

 

De uma forma inteligente e por intermédio de um modelo matemático, na dissertação do Mestrado Profissional em Matemática, Estatística e Computação Aplicadas à Indústria (MECAI) do aluno Felipe Guilmo Lourenço, concluiu-se que é possível reduzir em torno de até 40% os custos com impostos em empresas exportadoras de commodities.

Essas empresas contam com isenções e benefícios governamentais, desde que sejam feitas as devidas comprovações fiscais dentro de prazos estipulados. Se as empresas não cumprem esses prazos, elas passam a ser tributadas. Tamanha a complexidade das transações, não raras são as vezes em que as empresas perdem esses prazos e, consequentemente, os benefícios.

Orientado por Maristela Oliveira dos Santos, professora do ICMC/USP-São Carlos e pesquisadora do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e com colaboração do doutor Artur Lovato da Cunha, o estudo chegou a importantes soluções que podem auxiliar na tomada de decisões neste tipo de problema.

“Este é basicamente um problema de exportação. Muitas empresas comerciais compram produtos commodities no mercado e o governo disponibiliza alguns benefícios sobre esses produtos, desde que sejam feitas as comprovações fiscais dentro de um prazo. Por vários fatores dentro da cadeia de suprimentos ou cadeia logística, o atraso pode ser gerado. O Brasil tem muitos Estados, com diferentes alíquotas de impostos- nosso foco é o ICMS - e esses valores variam muito de uma comprovação para outra. A forma mais comum de processar as notas fiscais atualmente é a forma sequenciada (do mais antigo para o mais novo), mas, muitas vezes, não é a melhor solução”, explica Felipe.

“Em alguns casos, podem ser feitas melhores combinações que obtenham um custo reduzido de impostos em um cenário em que esses prazos seriam perdidos. Em nossas simulações conseguimos chegar na melhora em torno de 40% de redução nesses custos de impostos, nos casos em que consideramos os atrasos nesses embarques”.

Felipe explica ainda que o modelo matemático faz uma análise completa de todos esses documentos fiscais que precisam de comprovação e todas as janelas de embarques possíveis. O sistema reorganiza essas notas de uma maneira que sejam pagas as de custos menores, em situações que não tenha o que ser feito, em relação à perda de prazo.

“Os resultados que nós obtivemos nessa dissertação mostram a viabilidade de aplicar esse tipo de abordagem de solução em todo setor de exportação e, estender esses modelos para resolver outras situações dentro de empresas exportadoras, minimizando os custos”, concluiu Maristela.

“Trabalhar com os problemas que os alunos do MECAI nos trazem é um desafio muito bom porque geralmente eles têm experiência de viver a realidade da empresa, então os problemas são reais. Orientar um aluno do MECAI mostra que realmente essa relação entre universidade e empresa é muito frutífera e pode ajudar as duas partes”.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Planejamento da produção da cana-de-açúcar

Planejamento da produção da cana-de-açúcar

Notícias Relacionadas

Pesquisadores

Socorro Rangel

Um estudo sobre modelos matemáticos de otimização para atividades da cadeia produtiva da cana-de-açúcar foi finalizado em um trabalho de mestrado do aluno Eduardo dos Santos Teixeira, orientado pela professora Maria do Socorro Nogueira Rangel, do IBILCE e que também é pesquisadora do CeMEAI.

A cana-de-açúcar é um produto de grande relevância econômica, utilizada como matéria-prima para a produção de diversas qualidades de açúcar, etanol combustível, bebidas alcoólicas e energia elétrica, além de produtos como papel, plásticos e lenha ecológica. Modelos matemáticos de otimização podem auxiliar o processo de tomada de decisão e assim contribuir para aumentar a rentabilidade da produção e melhorar o aproveitamento dos recursos disponíveis em cada etapa da cadeia de suprimentos. A necessidade de uma revisão bibliográfica sobre aplicações de modelos matemáticos de otimização à produção da cana-de-açúcar, desde o plantio da cana, até a sua utilização como matéria-prima na indústria, motivou a dissertação de Eduardo.

Estudo traz contribuições bibliográficas sobre o planejamento da produção da cana-de-açúcar

Aluno do IBILCE-UNESP conclui dissertação sobre aplicações de modelos matemáticos para a cadeia produtiva da cana-de-açúcar

 

Estudo traz contribuições bibliográficas sobre o planejamento da produção da cana-de-açúcar

Um estudo sobre modelos matemáticos de otimização para atividades da cadeia produtiva da cana-de-açúcar foi finalizado em um trabalho orientado por uma pesquisadora do CEPID - CeMEAI. Conheça melhor a pesquisa: http://bit.ly/modelos-cana

Publicado por CEPID - CeMEAI em Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

 

Um estudo sobre modelos matemáticos de otimização para atividades da cadeia produtiva da cana-de-açúcar foi finalizado em um trabalho de mestrado do aluno Eduardo dos Santos Teixeira, orientado pela professora Maria do Socorro Nogueira Rangel, do IBILCE e que também é pesquisadora do CeMEAI.

A cana-de-açúcar é um produto de grande relevância econômica, utilizada como matéria-prima para a produção de diversas qualidades de açúcar, etanol combustível, bebidas alcoólicas e energia elétrica, além de produtos como papel, plásticos e lenha ecológica. Modelos matemáticos de otimização podem auxiliar o processo de tomada de decisão e assim contribuir para aumentar a rentabilidade da produção e melhorar o aproveitamento dos recursos disponíveis em cada etapa da cadeia de suprimentos. A necessidade de uma revisão bibliográfica sobre aplicações de modelos matemáticos de otimização à produção da cana-de-açúcar, desde o plantio da cana, até a sua utilização como matéria-prima na indústria, motivou a dissertação de Eduardo.

“Através deste estudo, foi possível observar que a maioria dos modelos propostos na literatura trata apenas dos estágios de plantio, colheita e transporte da matéria-prima, com pouca atenção para o planejamento do processamento industrial e da distribuição dos produtos finais. Outro aspecto pouco explorado na literatura é a integração de decisões das diferentes etapas da produção, importante para um tratamento mais completo dos problemas encontrados”, explica.

Ainda segundo Eduardo, essa é uma contribuição relevante para a literatura, um trabalho completo trazendo modelos e métodos de solução que podem servir como ponto de partida para o estudo de outras situações práticas. “Com esse resumo de literatura é possível começar qualquer trabalho mais facilmente e, em cima dele, desenvolver testes computacionais, análises e métodos de solução”, disse.

O tema da pesquisa foi inspirado em uma das participações de Eduardo no Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais, quando trabalhou no grupo da empresa ENALTA.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Projetos com Portugal geram resultados para problemas de corte na indústria

1º workshop com professores e alunos participantes foi realizado no ICMC/USP

 

IMG 2066 2
Maria Carravilla (à esquerda), José Oliveira e Franklina Toledo fazem parte do projeto

 

Há dez anos nascia uma colaboração internacional de pesquisa entre Brasil, Inglaterra e Portugal, por intermédio de pesquisadores da USP, UFSCar, Unesp, University of the West of England e Universidade do Porto, com objetivo de trazer conhecimento e contribuições nas áreas de planejamento da produção, cortes e empacotamento e logística.

Atualmente, um dos projetos mais recentes, denominado Delta C&P, com financiamento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT/Portugal) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP/Brasil), é coordenado no Brasil pela professora do ICMC/USP e pesquisadora do CEPID-CeMEAI Franklina Maria Bragion de Toledo e em Portugal pelo professor José Fernando Oliveira, da Universidade do Porto. Além dos coordenadores, o projeto é desenvolvido pela professora Maria Antónia Carravilla, da Universidade do Porto, pela professora Marina Andrettado ICMC/USP, e pela professora Adriana Cherri, da UNESP. O projeto envolve alunos de mestrado, doutorado e pesquisadores em pós-doutorado brasileiros e portugueses.

Segundo José Fernando, este projeto está muito ligado à solução de problemas de produção, de bens, visando a redução do uso de matérias-primas no sentido de minimizar os impactos ambientais e econômicos. “Realizamos um trabalho baseado em técnicas de otimização para que as empresas gastem o menos possível recursos naturais”, diz.

Ainda segundo o pesquisador, a matemática tem muito a contribuir nos mais diferentes segmentos da indústria. “A vantagem da matemática é que você consegue abstrair da aplicação concreta. Trabalho há 30 anos com este tipo de problema de Otimização e, neste projeto, nosso grande objetivo é conseguir incorporar a incerteza. Até agora, os problemas foram resolvidos admitindo que tudo é certo, o que não é verdade. Queremos conseguir fazer um planejamento desses problemas tentando, ao máximo, soluções robustas frente às incertezas que acontecem no mundo real, queremos nos aproximar ainda mais das necessidades concretas das empresas. O que o distingue dos trabalhos anteriores é essa medida que leva em conta a questão da incerteza dos dados e do problema”, explicou.

1º workshop do Projeto

IMG 1942 2

 

No início do mês de maio, com a vinda dos pesquisadores portugueses, José Fernando Oliveira e Maria Antónia Carravilla ao Brasil, foi organizado o 1º Workshop do Projeto Delta C&P em um dos auditórios do ICMC.

“Este encontro foi de extrema importância porque conseguimos apresentar tudo que está em curso no projeto, trazendo uma visão global das pesquisas de cada participante”, explicou Franklina Toledo.

“A presença de José Fernando e Maria Antónia aqui no ICMC é motivo de muitas contribuições. Primeiramente, em avanços da pesquisa em si e, por realizarem palestras e seminários, nossos alunos da pós-graduação se beneficiam com novos conhecimentos nesta área. Por isso, somos gratos a eles e à Universidade do Porto por essa colaboração”, completou Franklina.

A Professora Maria Antónia lembrou a evolução das Instituições de Ensino e Pesquisa portuguesas com pesquisas realizadas com dados reais e a aproximação com a indústria. “Estamos evoluindo nessa aproximação, simplificando processos e colhendo resultados nessa transferência necessária de conhecimento da universidade para as indústrias”, disse.

“Em Portugal, uma das missões das universidades é essa transferência de tecnologia que faz parte das avaliações de resultados. Nossos alunos de engenharia, por exemplo, 90% deles fazem mestrados dentro das empresas e resolvem os problemas no ambiente industrial, orientados por nós professores”, comentou José Fernando.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Modelo matemático tenta resolver problema de pouso de aeronaves

Otimizar o fluxo aéreo é a proposta de uma pesquisa apoiada pelo CeMEAI

 

Uma projeção do Ministério da Infraestrutura, por intermédio da Secretaria Nacional de Aviação Civil, estima que a demanda de passageiros na aviação civil deve praticamente dobrar até 2037 no Brasil. No mundo, estudos apontam taxa de crescimento anual em torno de 5% até 2030 no que se refere a utilização de transporte aéreo.

Muitos problemas deverão ser enfrentados, entre eles, o gerenciamento de tráfego. E foi essa área que ganhou o interesse de uma pesquisa que conta com o apoio do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI). A tese de doutorado da aluna Lorrany Cristina da Silva, orientada pelo pesquisador André Carlos Ponce de Leon Ferreira de Carvalho e coorientada por Maristela Oliveira dos Santos trata do planejamento da utilização eficiente de pistas para pousos.

O estudo revisa os principais modelos encontrados na literatura que lidam com a otimização de pouso e propõe um novo modelo, para corrigir falhas e limitações nos modelos estudados. O modelo apresentado busca minimizar o problema de adiantamento/atraso em pouso de aeronaves, assumindo a existência de uma única pista e de múltiplas pistas. 

“Este trabalho investiga o Problema de Pouso de Aeronaves (ALP, do inglês Aircraft Landing Problem). O objetivo do ALP é otimizar os tempos de pousos das aeronaves que chegam na pista do aeroporto.”, explica Lorrany.

“A solução para esse problema por métodos de resolução exata é pouco estudada.  Os métodos mais estudados na literatura para resolução do ALP são métodos heurísticos. No entanto, esses métodos não garantem a solução ótima do problema como a que buscamos. Aplicar novos métodos/técnicas seria o diferencial deste trabalho. E, portanto, conseguir um algoritmo eficiente para contribuir com os problemas de gerenciamento”.

Modelo matemático tenta resolver problema de pouso de aeronaves

Uma trabalho orientado por pesquisadores do CEPID - CeMEAI busca planejar, de forma mais eficiente, a utilização de pistas para pousos de aeronaves. Entenda melhor a pesquisa: http://bit.ly/pousos-aeronaves

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quinta-feira, 16 de maio de 2019

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisadora do CeMEAI recebe honraria do Isaac Newton Institute

Claudia Sagastizábal participa de programa que premia mulheres cientistas

 

claudia sagaztizabal

Foto: Isaac Newton Institute

 

A pesquisadora da Unicamp e do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), Claudia Sagastizábal, é uma das mulheres cientistas a ter o trabalho reconhecido e premiado pelo Kirk Distinguished Visiting Fellowship , programa do Isaac Newton Institute for Mathematical Sciences.

O programa fornece financiamento para acolher no instituto matemáticos seniores por áreas distintas de pesquisa, escolhidos pela relevância dos trabalhos. Os premiados são especialmente mulheres, com a intenção de ajudar a criar e promover nomes de influência dentro do campo, abordando o desiquilíbrio histórico de gênero que persiste dentro da ciência.

Claudia explica que passou seis semanas em Cambridge no programa The Mathematics of Energy Systems, que tratou do avanço e desafios da geração de energia renovável que, em escalas de tempo mais curtas, tem problemas crescentes de controle e otimização, enquanto novas questões de projeto físico e econômico estão surgindo nos prazos de investimento mais longos.

“Em Cambridge, há uma política agressiva, no melhor sentido da palavra, para promover a igualdade entre homens e mulheres, com apoio especialmente de Ewan Kirk para que houvesse também bolsas prestigiosas para as mulheres. Este é o primeiro ano que outorgam essas distinções à mulheres cientistas”, comentou Claudia.

Ainda segundo ela, a intenção do Instituto é ampliar a visibilidade de mulheres que têm êxito em seus trabalhos para que inspirem jovens a fazer pesquisa de alto nível em matemática. “Eu fiquei muito impressionada com as políticas e programas que apoiam o crescimento das mulheres na ciência. Por exemplo, a hospedagem se paga igual ao ir sozinha, ou com a família. Durante a jornada de trabalho, os filhos podem ficar em creches especiais ao lado do instituto, enquanto as mães desenvolvem suas pesquisas, trabalhos e estudos. Temos muito a aprender com eles”, observou.

Na entrevista concedida ao Instituto, Claudia Sagastizábal fala mais sobre problemas que a otimização pode resolver, o papel das mulheres na matemática, e o significado do prêmio. Leia a entrevista completa.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Artigo de pesquisadores do CeMEAI se destaca no cenário acadêmico

Trabalho também resultou em software de simulações de dinâmica molecular

 

No início de 2003, os pesquisadores José Mario Martínez, do Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica (IMECC) da Unicamp, e Leandro Martínez, do Instituto de Química também da Unicamp, publicaram um artigo a respeito de geração automática de configurações iniciais para simulações dinâmicas de moléculas.

O trabalho foi o início de uma série de estudos que se desenvolveu e, em 2009, culminou em um segundo artigo sobre o tema e que contava também com a participação de Ernesto Birgin, do Instituto de Matemática e Estatística (IME) da USP. A segunda publicação já trazia uma novidade importante: era o software Packmol, que criou novas perspectivas para a área das simulações de dinâmica molecular.

A importância do Packmol tem sido refletida pelos números de citações em artigos científicos. Os autores, que são membros de Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da FAPESP – José Mario e Ernesto do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e Leandro do Centro de Pesquisa em Engenharia e Ciências Computacionais (CCES) – têm comemorado o alcance internacional do artigo.

Em dezembro de 2015, a publicação tinha cerca de 500 citações na plataforma Web of Science. Atualmente, já são por volta de 1500. Esse número faz com que o artigo seja o 3º mais citado na Web of Science entre os financiados pela Fapesp, o 3º da Unicamp em todos os tempos, o 4º entre os da CAPES e o 9º do CNPq.

Outro exemplo da popularização do artigo vem em forma de vídeos. Curiosamente, já são até encontrados tutoriais do Packmol em persa e tailandês. O software continua sendo atualizado com apoio do CeMEAI e, até o mês de novembro deste ano, já foi baixado mais de 23 mil vezes. Conheça melhor o software:

 

Um programa desenvolvido por pesquisadores do CEPID - CeMEAI e do eScience trouxe novidades na área de simulações de dinâmica molecular. Entenda como o Packmol funciona: http://goo.gl/ItVxL0

Publicado por CEPID - CeMEAI em Quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em quatro áreas básicas: Otimização Aplicada e Pesquisa Operacional, Mecânica de Fluidos Computacional, Modelagem de Risco, Inteligência Computacional e Engenharia de Software.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar, IMECC-UNICAMP, IBILCE-UNESP, FCT-UNESP, IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Leonardo Zacarin - Assessoria CEPID-CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609 

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Página 2 de 5