ptzh-CNenfrdeitjarues

Robô para limpeza de dutos do pré-sal vence Prêmio ANP de Inovação Tecnológica

Parte da tecnologia está sendo desenvolvida pela USP/São Carlos com apoio do CeMEAI

 

Premio ANP

 

O robô Annelida foi o projeto vencedor do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2020 entregue na segunda-feira (29), em cerimônia na cidade do Rio de Janeiro. O projeto ajudará a Petrobras a reduzir perdas estimadas em bilhões de reais na substituição de dutos danificados e em lucros cessantes decorrentes da operação.

Ele é resultado da união de esforços de várias equipes e Instituições de ensino e pesquisa. Há participação de membros do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI): Francisco Louzada Neto, professor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos e Coordenador de Transferência de Tecnologia do Centro, José Alberto Cuminato, também do ICMC e diretor do Centro, Vera Tomazella, professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Oscar Maurício Hernandez Rodriguez, professor do departamento de Engenharia Mecânica da EESC-USP. O projeto também conta com vários alunos de pós-doutorado e doutorado do ICMC, pesquisadores do SENAI de Florianópolis/SC, do SENAI de São Leopoldo/RS, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Petrobras.

Ele foi o melhor projeto na categoria 1, destinada a iniciativas desenvolvidas exclusivamente por Instituição Credenciada, em colaboração com Empresa Petrolífera, na área temática geral “Exploração e Produção de Petróleo e Gás”.

Esta foi a segunda edição consecutiva em que o projeto chegou à final do Prêmio concedido pela Agência Nacional do Petróleo. O prêmio refere-se ao ano de 2020, cujo cronograma foi alterado devido à pandemia da Covid-19.

Quando em operação, o robô Annelida atuará desobstruindo os dutos de petróleo extraído do pré-sal. O composto é retirado do solo a uma temperatura de 60 a 70 graus C, mas se resfria ao passar pelo oceano, em percurso de até 7 quilômetros, podendo chegar à temperatura de quatro graus. Esse resfriamento faz com que o óleo se solidifique e libere hidratos e parafinas, que aderem à parede do duto.

Veja como funciona:

 

 

A complexidade do projeto exigiu das instituições parceiras, somente na primeira fase, o desenvolvimento de 14 novas tecnologias, tais como sistemas de computação embarcada com falha segura, de lançamento para zonas classificadas por explosividade e de locomoção com autotravamento. Atualmente o projeto está na fase 2 que prevê a realização de testes em campo.

“Cada uma dessas equipes trabalha em uma parte do desenvolvimento do robô. A nossa responsabilidade é garantir a confiabilidade do Sistema (Análise de Risco), utilizando técnicas da Engenharia, Matemática Aplicada e sobretudo, Estatística”, explicou Louzada.

Sobre vencer o prêmio, Louzada comentou: “Este prêmio é um importante reconhecimento do trabalho que vem sendo desenvolvido, em uma estrutura multidisciplinar, pelo Grupo de Modelagem de Risco do CeMEAI-ICMC, junto a grupos de pesquisa do SENAI de Florianópolis/SC, do SENAI de São Leopoldo/RS e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e da Petrobras, mostrando o potencial de inovação da invenção, e que o trabalho conjunto. Sou verdadeiramente afortunado por coordenar um grupo de pesquisa tão dedicado e empenhado na condução do projeto”.

O troféu foi entregue ao representante do grupo na cerimônia. Hugo Francisco Lisboa Santos, da Petrobras. “Esse é um prêmio de não uma pessoa, mas de dezenas de pessoas trabalhando muito ao longo dos últimos anos. Nenhum país evolui sem pesquisas em desenvolvimento”, disse em seu discurso agradecendo em nome de todos pelo reconhecimento.

 

 

Membros do Grupo de Risco do projeto Annelida

Alex Leal Mota
Eder Brito
Eder Angelo Milani
Francisco Louzada
Gustavo Bochio
Jose Alberto Cuminato
Ivan Perissini
Loriz Francisco Sallum
Luis Felipe A Alegría
Oilson Alberto Gonzatto Jr
Oscar M H Rodriguez
Paulo Henrique Ferreira
Pedro Luiz Ramos
Vera Lucia D Tomazella

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Sobre o Prêmio ANP

Criado em 2014,o Prêmio tem como objetivo reconhecer e premiar os resultados associados a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I), que representem inovação tecnológica de interesse do setor de petróleo, gás natural e biocombustíveis, desenvolvidos no Brasil por instituições de pesquisa credenciadas pela ANP, empresas brasileiras e empresas petrolíferas, com utilização total ou parcial de recursos provenientes da Cláusula de PD&I presente nos contratos de Exploração e Produção (E&P).

Em sua sétima edição, 213 resultados de projetos concorreram, dos quais participaram 6 empresas petrolíferas, mais de 40 empresas brasileiras e 90 unidades de pesquisa credenciadas. A edição 2020 contemplou cinco categorias de projetos.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações:

Assessoria de Comunicação do CeMEAI

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: (19) 99199-8981

Ciências de Dados no topo das carreiras da atualidade

Como o MBA USP-CeMEAI pode transformar sua vida profissional em um ano

 

banner mba

 

Analista de Dados, Cientista de Dados, Desenvolvedor de Softwares, Desenvolvedor de Aplicativos, Especialista em e-Commerce, Especialistas em Inteligência Artificial, Especialistas em Machine Learning.

Você sabe o que é essa lista? São as profissões em alta em 2022 no setor de tecnologia, divulgadas anualmente pelo Fórum Econômico Mundial.

Essa informação é uma boa dica sobre quem sempre estará equilibrando a relação homem/máquina, desde que haja conhecimento da melhor qualidade e na mesma velocidade em que as inovações tecnológicas surgem.

Nessa direção, foi criado o MBA em Ciências de Dados da USP-CeMEAI, que oferece as ferramentas necessárias para treinar as habilidades humanas para o futuro do trabalho.

“Somos a força da tecnologia na transformação das carreiras. O que parece automático para nós, como fazer uma pesquisa no Google em um segundo, acessar uma plataforma de streaming para assistir a um filme ou fazer uma transação bancária em minutos, via aplicativo, é na verdade resultado de um trabalho árduo de interpretação de milhões de dados de pessoas que tornam essas operações possíveis”, comenta Francisco Louzada Neto, coordenador do MBA em Ciências de Dados.

 

profs mba

 

Claudio Vinicius Cabral é aluno da segunda turma do MBA em Ciências de Dados/2021. Ele é Engenheiro de Operação de Sistemas Elétricos na empresa Centrais Elétricas do Norte do Brasil – Eletronorte (Brasília-DF). E já está trabalhando em uma nova tecnologia chamada ENIA - Assistente Inteligente da Eletronorte. “Em conjunto com um colega da empresa, desenvolvemos essa assistente virtual e inteligente das equipes dos Centros de Operação do Sistema Elétrico. A comunicação entre o operador e a ENIA é realizada por voz, contudo o programa também apresenta a transcrição do diálogo em tela”, explica.

“O programa foi projetado para auxiliar os operadores dos Centros de Operação do Sistema Elétrico na execução das atividades de operação em tempo real, fornecendo acesso de forma ágil e segura aos procedimentos operativos, além da integração com sistemas especialistas de automação capazes de comandar remotamente as usinas, subestações e linhas de transmissão.  Devido ao forte caráter inovador, a assistente foi registrada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial. A ENIA é adaptável e pode ser aplicada em outros processos técnicos ou administrativos da empresa”.

Claudio explica que essa aplicação é apenas uma das conquistas adquiridas com auxílio do MBA e que levar para a empresa esses novos conhecimentos tem feito outros colegas buscarem capacitação. “Houve uma grande aceitação e todo corpo, inclusive gerencial, está se capacitando, motivando e fornecendo todo o suporte para equipes técnicas na aplicação da Ciência de Dados. Portanto, o cenário atual na empresa é favorável à aplicação desse conhecimento, visando acelerar a transformação digital dos processos empresariais”, declarou.

 

1

 

 

“O cenário atual na empresa é favorável à aplicação desse conhecimento, visando acelerar a transformação digital dos processos empresariais”

 

 

 

“Casos como o de Claudio comprovam a importância dos valores que os professores envolvidos no MBA estão gerando, sendo esse elo academia/empresa, tão necessário para o desenvolvimento da sociedade”, observou Louzada.

Ainda segundo o coordenador, a demanda por conhecimento é urgente. Cientista de Dados é um dos cargos mais procurados não apenas aqui, mas em todo o mundo, de acordo com o relatório Future of Jobs do World Economic Forum. “Os altos salários que podem alcançar os 20 mil reais são reflexo da pouca mão de obra especializada no país. Há uma estimativa da Brasscom (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação) que afirma que de 2019 a 2024 o setor deve demandar 420 mil novos profissionais”.

Louzada observa ainda que a alta procura pelo curso comprova essa corrida por conhecimento e consagra o sucesso que tem sido descrito por todos os alunos do MBA em Ciências de Dados, como Cláudia Coleoni, que também cursa a segunda turma e nunca parou de estudar. Atualmente, ela é pesquisadora na Colômbia para o Stockholm Environment Institute, com sede em Estocolmo. Seu mestrado foi na Universidade de Oxford e, no ano passado, viu no MBA da USP-CeMEAI mais uma oportunidade de crescimento na carreira.

“O MBA permitiu vincular minha pesquisa na área de gestão de recursos hídricos com os conceitos e práticas da ciência de dados. Os módulos de ensino me apresentaram a temáticas muito relevantes ao avanço das ciências ambientais, que eu até então desconhecia, como redes neurais e arquiteturas profundas. Meu projeto final do MBA também tem sido essencial para a entrega de soluções no dia-a-dia do meu trabalho. Essa combinação contribuiu também para minha seleção como uma das 25 ganhadoras da edição de 2021 do prêmio Green Talents do Ministério de Educação e Pesquisa (BMBF) da Alemanha. Conciliar MBA com trabalho é uma experiência desafiadora, mas sem dúvidas vale a pena cada hora de estudo e dedicação”, finalizou.


1“Meu projeto final do MBA também tem sido essencial para a entrega de soluções no dia a dia do meu trabalho. Essa combinação contribuiu também para minha seleção como uma das 25 ganhadoras da edição de 2021 do prêmio Green Talents da Alemanha”

 

 

A chance de mudar sua vida profissional não precisa estar no futuro. Ela cabe em um ano. Mais especificamente, no próximo, desde que você se desafie a ser um dos inscritos para a terceira turma do MBA. Saiba como.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI:

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O que faz um cientista de dados?

cbn

 

Com a pandemia, o processo de digitalização das empresas e governos se intensificou, aumentando a procura por cientistas de dados. Esse tipo de profissional reúne, interpreta e comunica as informações mais relevantes dentro de um universo de dados. O objetivo é conseguir mapear padrões de comportamento de clientes, produtos e serviços. Ouça e entenda a profissão.

 

CLIQUE AQUI para ouvir a reportagem completa!

Edição online do Workshop para Problemas Industriais amplia participantes

CeMEAI, IMPA e ESALQ organizam o evento que aponta soluções para empresas

 

site

 

A primeira online e sexta edição do Workshop de Soluções Matemáticas para Problemas Industriais possibilitou ampliar a abrangência do evento e seus participantes. A abertura, na segunda-feira (22), ocorreu para um público de mais de 200 pessoas entre alunos, professores, empresários e interessados em contribuir com soluções matemáticas para resolução de problemas práticos da indústria brasileira, contando com a participação de sete empresas: Petrobras, John Deere, GPP – Esalq, Kinea-Itaú, StepWise, Raízen e CCEE/Cepel/Radix.

O diretor do CEPID-CeMEAI, José Alberto Cuminato, deu boas-vindas aos participantes, ressaltando a importância desse modelo de evento que ocorre pela primeira vez neste formato em virtude da pandemia e que propicia um elo entre os profissionais das ciências matemáticas, estatística, computação e o setor produtivo.

“Estamos todos empenhados em criar as condições para que as salas- via zoom- mantenham as atividades atrativas e dinâmicas, certos de que conseguiremos manter os resultados esperados pelos alunos e empresas”, comentou.

Interagiram na abertura com os participantes Maria Cristina Ferreira de Oliveira (diretora do ICMC/USP), Durval Dourado Neto (diretor da Esalq/USP), Francisco Louzada Neto (CeMEAI), Sylvio Roberto Accioly Canuto (Pró-Reitor de Pesquisa – USP) e Marcelo Viana, diretor do IMPA.

“Existe no Brasil um potencial enorme para colaboração da academia com o setor produtivo na área de matemática. O país dispõe de expertise de alto nível na área instalada em instituições como IMPA, USP, UNICAMP, UFRJ e tantas outras. Ao mesmo tempo, o nosso setor industrial oferece inúmeras oportunidades para racionalizar seus processos e aumentar a eficiência. A matemática é especialmente habilitada para isso”, comentou Viana.

Durval Dourado Neto, da Esalq, falou sobre a parceria que possibilita ganhos para a academia e aproxima os alunos de problemas reais da indústria.

Também dividiram experiências e falaram como esse modelo de workshop é formulado e apresenta resultados em outros países, os colaboradores internacionais Hilary Ockendon – Oxford University, UK, Wil Schilders – TU Eindhoven, The Netherlands, Yuan Ya-Xiang – President of ICIAM – Chinese Academy of Sciences, China e Dhanesh Patel – University of Baroda, India

Na sequência, os coordenadores de cada problema e representantes das empresas apresentaram o conteúdo a ser trabalhado pelos grupos até a sexta-feira (26).

Para citar alguns desafios, o desenvolvimento de Redes Neurais para a Inversão de Dados Sísmicos, Despacho hidrotérmico de Curto Prazo, Integração de Grandes Bases de Dados, Interpolação de Dados Espaciais e outros temas que terão ideias e experiências compartilhadas, no sentido de produzir importantes respostas para a sociedade.

“Há muitas sinergias possíveis, não apenas academia/empresa. Pode haver sinergia com o poder público, com entidades da sociedade civil, organizações não-governamentais, entidades de ensino profissional, entre tantas. Essas parcerias representam mudanças qualitativas no contexto das quais novas instâncias de conhecimento são criadas e desenvolvidas. Por sua vez, as sinergias geram novas entidades, como as consultorias, que contribuem não apenas com a solução dos problemas colocados, mas de outros problemas, ao mesmo tempo que geram empregos para profissionais e acadêmicos. É dessa dinâmica que se alimenta o desenvolvimento de um país”, comentou José Mario Martinez Perez, Vice-Diretor do CeMEAI e um dos coordenadores do problema da Petrobras.

Ao final de todas as apresentações das empresas, os participantes escolheram em qual sala/problema gostariam de trabalhar e houve a divisão dos grupos. Eles seguem trabalhando nas melhores soluções que serão apresentadas na sexta-feira (26), último dia do workshop. Na quarta-feira (24) está programada uma palestra com a pesquisadora doutora em matemática, Vanessa Simões.

“A nossa participação no 6º Workshop de Soluções Matemáticas para a Indústria é parte do esforço que o IMPA vem fazendo, especialmente a partir de 2020, para reforçar e alargar a nossa presença no diálogo entre o meio acadêmico e a indústria nacional. Isso se insere de maneira orgânica na nossa missão de fazer pesquisa, formar pesquisadores e disseminar o conhecimento matemático”, disse Marcelo Viana.

E finalizou comentando sobre a parceria com o CeMEAI e o ICMC/USP: “tem sido muito construtiva e acredito que terá um impacto significativo no panorama da área no Brasil”

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Sobre o IMPA

O Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA) é uma unidade de ensino e pesquisa qualificada como Organização Social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e ao Ministério da Educação (MEC).

Desde seu início, em 1952, o IMPA teve por missão o estímulo à pesquisa científica, a formação de novos pesquisadores e a difusão e aprimoramento da cultura matemática no Brasil. Essas atividades, vinculadas entre si, visam promover o conhecimento da matemática, fundamental ao desenvolvimento das ciências e da tecnologia em geral, por sua vez essencial para o progresso econômico e social do país.

 

Sobre a Esalq

A Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) é uma unidade da Universidade de São Paulo (USP), situada em Piracicaba, município do centro-oeste do Estado de São Paulo, caracterizado como importante polo de desenvolvimento industrial e agrícola.

No âmbito da extensão, estão presentes atividades esportivas, culturais, publicações técnicas e científicas e cursos de difusão, expandindo as competências desta Escola além das salas de aula. O número expressivo de profissionais formados pela Esalq constitui um dos principais fatores do desenvolvimento do agronegócio em geral e da defesa das instâncias ambientais, biológicas e sociais.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo./ 19- 99199-8981

Francisco Louzada Neto participa do Prêmio Internacional Mahalanobis

Representando a América Latina, coordenador do CEPID-CeMEAI julgará vencedor

 

Francisco Louzada

 

O Coordenador de Transferência Tecnológica do Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CEPID-CeMEAI) Francisco Louzada Neto foi o membro escolhido para representar a América Latina no Mahalanobis Award Committee 2021, organizado pelo o International Statistical Institute (ISI).

O Prêmio Internacional Mahalanobis é patrocinado pelo Ministério de Estatística e Implementação de Programas do Governo da Índia e reconhece um indivíduo por realizações ao longo da vida na carreira de Estatístico e que tenha levado importantes contribuições em países ou regiões em desenvolvimento.

“Com esse prêmio, os organizadores esperam atrair, inspirar e motivar estatísticos em todo o mundo para aumentar a quantidade e melhorar a qualidade de suas contribuições para a causa da promoção da ciência estatística e suas aplicações”, comentou Louzada.

Ao lado de representantes do mundo todo, Louzada terá a missão de analisar os trabalhos inscritos e julgar o vencedor. “Primeiramente, recebi o convite com muito orgulho para representar o Brasil e América Latina como júri técnico desta edição do prêmio. E é uma oportunidade também de conhecer os currículos de colegas de profissão que têm trabalhado, muitas vezes, todas as suas vidas em benefício dessas regiões em desenvolvimento”.

 

Membros Mahalanobis

 

O Mahalanobis Award Committee é entregue a cada dois anos durante o ISI World Statistics Congress, que ocorrerá em julho deste ano.

“Vale ressaltar que essa iniciativa do ISIS, juntamente com o Governo da Índia, tem o duplo propósito de homenagear o Professor PC Mahalanobis por suas contribuições e conquistas em Estatística e de reconhecer e estimular o progresso em Estatística nos países em desenvolvimento”, finalizou.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

mkt esportivo

 

A tecnologia e os esportes estão cada vez mais próximos, com inúmeras inovações que permitem melhorar o desempenho de atletas e facilitar a vida de treinadores. A ciência brasileira já está trabalhando ativamente no desenvolvimento de novas soluções para o setor. Um exemplo é o software iSports, criado no Instituto de Ciências Matemáticas e da Computação da USP de São Carlos, em parceria com o Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Como o MBA em Ciências de Dados mudou as carreiras dos participantes

Alunos da primeira turma comentam resultados obtidos nas empresas em que atuam

 

frame divulgação

 

Quem está no mercado de trabalho sabe a dificuldade que é arrumar tempo para tarefas que não sejam as atribuições que o próprio emprego exige. Ao mesmo tempo, a capacitação profissional é uma necessidade. E quanto mais ágil, eficiente e de qualidade os cursos, melhor o aproveitamento. 

No início deste ano, cumprindo sua principal premissa de fazer interagirem a matemática e indústria, o Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), em parceria com o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC/USP) lançaram o MBA em Ciências de Dados, o primeiro da área oferecido a distância por uma universidade pública.

A proposta de mudar a vida profissional dos participantes em um ano foi percebida quase na totalidade. Arion Melkan de Freitas é Engenheiro de Software no Itaú Unibanco e integra a primeira turma. "Quando soube que esse MBA estava sendo oferecido, não pensei duas vezes. Passado esses 10 meses de curso, só tenho a agradecer, especialmente pela relação da teoria com a prática. Quando você entra nesse curso, você não tem um certificado garantido. É preciso muita dedicação para realizar as atividades, provas e o trabalho de conclusão de curso, além da assimilação dos conhecimentos. Tive muitos ganhos na percepção de padrões que encontramos quando tratamos os dados, trabalho melhor com python, com análise exploratória e identificação dos dados que realmente geram informação ao cliente. Além disso, o MBA já me ajudou a prestar alguns processos seletivos para direcionar a minha carreira para área de Ciências de Dados, esse é um objetivo que eu tenho", disse Arion.

Para Ricardo Grego, Senior Business Analyst no NuBank, o MBA em Ciências de Dados se destacou pela carga teórica, aliada às aplicações práticas." É um ótimo equilíbrio para entender muito bem o que é Ciências de Dados e como utilizar todo esse ferramental matemático e estatístico. O formato de aulas e monitorias EAD foram muito bem estruturados, com equipe de professores e monitores de altíssimo nível. Eu, que trabalho com análise de dados, já enxergo muitas aplicações em minha atividade profissional atual e diversas possibilidades de desenvolvimento de carreira".

Um dos diferenciais do curso é o fato de contar com uma das melhores equipes de cientistas da computação, estatística e matemática aplicada do país. "Ministrar o curso de Aprendizado Dinâmico para o MBA foi uma experiência interessantíssima, pois pude discutir temas relevantes para a análise de dados coletados ao longo do tempo, como modelos de séries temporais, redes dinâmicas e análise de sobrevivência. No curso, trabalhamos com problemas práticos atuais, precedidos de desenvolvimentos teóricos e com referências de qualidade. Como o curso é oferecido pela USP, os alunos têm acesso amplo à infraestrutura online da universidade, como repositórios de livros e artigos. Tive retornos extremamente positivos dos alunos. Analisamos dados de diversas naturezas, como aplicações das áreas médica, financeira, biológica, e inclusive dados epidemiológicos de COVID-19. Os tutores fizeram um excelente trabalho também, oferecendo todo o apoio teórico e computacional para o desenvolvimento das práticas propostas em cada aula. Considero o curso um sucesso, que traz retorno a curto prazo à carreira dos alunos, como inclusive já foi relatado por alguns deles", comentou Cibele Russo, Professora Doutora em Estatística do ICMC. 

"Não menos importante é destacar que a primeira edição do MBA realmente trouxe problemas das empresas onde os participantes trabalham para que fossem solucionados por nossa equipe de especialistas, sendo que, o nosso maior objetivo, de dar aos alunos as ferramentas e o conhecimento para tomadas de decisões nas empresas que atuam, foi cumprido. Ganham os profissionais e as indústrias de forma geral.", observou o coordenador do MBA, Francisco Louzada Neto

Francisco lembra ainda que o MBA oferece diploma chancelado pela USP, um diferencial em qualquer currículo." Convido a todos para integrar esse novo mundo da informação digital. O processo seletivo para a segunda turma já começou!".

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciências de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pesquisa do CeMEAI irá auxiliar censo com moradores de rua de Franca

Modelo aplicado em São Carlos servirá como referência para grupo de extensão da Unesp

 

moradores rua

 

Uma pesquisa desenvolvida em parceria entre a prefeitura de São Carlos e Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) chamou a atenção do grupo de extensão Núcleo de Cidadania Ativa, da Unesp de Franca, que atua na concretização dos direitos para a população em situação de rua.

Os alunos orientados pelo professor Murilo Gaspardo entraram em contato com os pesquisadores do CeMEAI e já realizaram reuniões para troca de experiências com base no trabalho que, em São Carlos, está desenvolvendo ferramentas computacionais para auxiliar em políticas públicas voltadas para essa população.

Brenda Schiezaro Guimaro é aluna de Direito na Unesp de Franca, faz parte do grupo de extensão e conta que fez o primeiro contato com a ONG Projeto se Mudando - que atua com os moradores em situação de rua em São Carlos. “Conversando com eles sobre nossa intenção de realizar um censo sobre a população em situação de rua de Franca, eles nos contaram do projeto que estava sendo desenvolvido com coordenação do professor Alexandre Delbem e começamos a conversar”, disse.

“A primeira reunião já foi muito produtiva, nos ajudou muito, pois estávamos com dúvidas principalmente no quesito de metodologia do censo. Eles nos explicaram de forma detalhada a maneira como desenvolveram os questionários, bem como a maneira de processamento dos dados, o que auxiliou a dar um norte para nosso trabalho. Além disso, eles nos deram dicas referentes à quantidade de perguntas, pois pretendíamos realizar muitas delas e eles já haviam reparado que tal método não funcionava”.

Francisco Louzada Neto está coordenando as análises e soluções do ponto de vista da Estatística e comentou sobre a importância da qualidade do questionário. “Estamos desenvolvendo os indicadores que irão nos apontar, por exemplo, qual é o nível de aproximação desse morador com os serviços que são oferecidos pela prefeitura, olhando para a estrutura toda. Conseguimos saber qual a porcentagem de utilização desses serviços de uma forma holística, lembrando que essa análise será automática.”

“É importante enfatizar a importância das questões e ter pessoas capacitadas para aplicar o questionário, uma vez que há questões sensíveis como uso de drogas ou bebidas que eles podem não querer contar. A realidade e qualidade das respostas é de extrema importância nos resultados”, observa.

“A pesquisa demonstrou até aqui que as informações vão mudando ao longo do tempo, menos dados com mais qualidade, podem ser mais interessantes do que muitos dados sem qualidade”, observou Cristiano Jose dos Santos, aluno de doutorado de Alexandre Delbem e que participou de todo processo, inclusive da aplicação do questionário em campo.

Delbem também comentou sobre a importância de trabalhar junto com todas as equipes em todo cronograma. “É importante destacar que a metodologia baseou-se no conhecimento prévio de todas as formas já existentes de interação da sociedade com os moradores em situação de rua de São Carlos e isso possibilitou um amplo acesso a eles, o que deve beneficiar as análises.”.

Dessa forma, a tecnologia do CeMEAI é transferida para auxiliar no mesmo problema em outros municípios. O censo na cidade de Franca está sendo desenvolvido pelo Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas de Franca (COMAD), FATEC Franca, em parceria com a Secretaria de Ação Social (SEDAS), Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), Abrigo Provisório, Casa de Passagem e a Equipe do Consultório na Rua (eCR).

Túlio Boso Fernandes dos Santos está no grupo de extensão. É presidente do Conselho Municipal de Políticas Públicas sobre Drogas de Franca (COMAD) e mestrando da Unesp.  “Esta experiência de São Carlos vai nos ajudar a conhecer melhor o projeto e replicar em nossa cidade”. Contato com o grupo de extensão podem ser feitos pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira - Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Plataforma que otimiza estoques de EPIs na pandemia ganha projeção internacional

Tecnologia desenvolvida com apoio do CeMEAI é implantada na Bionexo da Argentina

 

StockSeguro1

 

Depois do sucesso e eficácia da plataforma inédita de gestão de insumos médicos desenvolvida em uma parceria entre a USP de São Carlos e a empresa Bionexo Brasil, a tecnologia ganha projeção internacional e irá auxiliar também a Argentina na pandemia do novo coronavírus.

Por meio de um sistema inteligente de algoritmos, a plataforma que já é utilizada no Brasil, foi reformulada para atender o mercado de saúde da Argentina. Ela mapeia a quantidade necessária de equipamentos de proteção individual (EPIs) e insumos por unidade hospitalar em determinada região, permitindo projetar o consumo futuro e incentivando a solidariedade entre os hospitais, com o objetivo de assegurar que os estoques sejam usados de maneira efetiva em favor da população.

A solução é resultado de uma união de esforços, de pesquisadores dos laboratórios de Estatística e de Otimização (ICMC/USP), Centro de Estudos de Risco (CER), Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI) e da iniciativa privada, por intermédio da empresa de soluções digitais para gestão de processos em saúde, a Bionexo.

“O principal objetivo deste trabalho que utiliza modelos preditivos é acomodar a demanda explosiva e fornecer aos hospitais meios para possíveis realocações de recursos, principalmente os EPIs, que se tornam limitados diante da pandemia que diariamente ainda faz milhares de vítimas no mundo”, explicou Francisco Louzada Neto, Coordenador de Transferência Tecnológica do CeMEAI.

O aluno de doutorado em Estatística do ICMC, Gustavo Sabillón foi um dos responsáveis em adaptar a ferramenta às necessidades do mercado argentino. “Uma grande diferença entre as ferramentas do Brasil e Argentina foram os dados que utilizamos nas modelagens. Na ferramenta da Argentina, a modelagem foi feita com base na quantidade de hospitalizados reportados em cada província. Aqui no Brasil, nos baseamos na quantidade de óbitos reportados em cada cidade. Isso fez com que os processos de previsão dos consumos hospitalares fossem diferentes nos dois países. No entanto, com resultados otimizados para ambos os casos”, disse.

software

A pesquisadora e professora do ICMC/USP Cibele Maria Russo Novelli observa que o planejamento da cadeia de suprimentos pode trazer bons resultados em diversos sentidos, além de segurança para o ramo hospitalar. “Importante ressaltar, no entanto, que fazer esse planejamento durante a pandemia é um grande desafio dada a incerteza do comportamento da doença em cada região ou cidade. Com a boa aceitação da ferramenta pelos hospitais brasileiros, surgiu a ideia da expansão para a Argentina, visando entender o comportamento da pandemia naquele país e também oferecer aos hospitais uma forma segura de se planejar durante o período, de forma que não faltem EPIs aos hospitais e que também não haja excesso de estoques com materiais caros demais nesse período. Como a ferramenta usa informações da doença específicas da região, a ferramenta do Brasil precisaria ser adaptada para a realidade argentina, o que justificou o novo projeto”, explicou.

A pesquisadora lembrou ainda que os desafios surgiram desde a coleta de dados. “A forma de armazenar e disponibilizar as informações é bastante diferente no Brasil e na Argentina. Além disso, há mudanças nos termos dos materiais utilizados e houve a necessidade de traduzir toda a ferramenta. Já nos protocolos de utilização dos materiais pelos hospitais, houve uma similaridade maior”.

O Country Manager da Bionexo Argentina, o brasileiro Luiz Reis falou sobre sua expectativa de benefícios aportados ao sistema de saúde argentino. “Estamos trazendo uma plataforma capaz de realizar a gestão inteligente dos suprimentos médicos, com eficácia já comprovada no Brasil. O objetivo é disponibilizar a todos os hospitais do país uma solução capaz de orientar seus processos de compras, garantindo uma melhor assistência a toda a população argentina.”

O estudo mostra as melhores maneiras dos hospitais se planejarem e evitarem o excesso ou a falta de estoque, baseando-se na pesquisa inédita realizada pelo CeMEAI e Bionexo, voltada a esse cenário de pandemia.

O projeto na Argentina contou com a colaboração de Oilson Alberto Gonzatto Jr, doutorando em Estatística ICMC/USP e UFSCar, Gustavo Alexis Sabillón, doutorando em Estatística ICMC/USP e UFSCar, Caio Tomazella, doutorando em Ciências da Computação e Matemática Computacional ICMC-USP, Francisco Louzada Neto, Cibele Maria Russo Novelli e Maristela Oliveira dos Santos do SME/ICMC/USP, Luiz Reis Country Manager Bionexo Argentina, Dario Galdamez Gerente de Operaciones, Hector Yapura, Tecnología e María Asunción Fragni, Analytics

 

Sobre a Bionexo

A Bionexo é uma empresa de tecnologia que oferece soluções digitais para gestão de processos na saúde.

Através de soluções digitais de alta performance, promove a automação de processos, aumentando a visibilidade e transparência da informação para uma tomada de decisão mais rápida e inteligente.

Fundada em 2000, a Bionexo conhece a complexidade que envolve o negócio da saúde, o que a torna a maior referência na construção de soluções digitais em nuvem para saúde, contribuindo decisivamente para a profissionalização do setor.

 

Sobre o CeMEAI

O Centro de Ciências Matemáticas Aplicadas à Indústria (CeMEAI), com sede no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

O CeMEAI é estruturado para promover o uso de ciências matemáticas como um recurso industrial em três áreas básicas: Ciência de Dados, Mecânica de Fluidos Computacional e Otimização e Pesquisa Operacional.

Além do ICMC-USP, CCET-UFSCar / IMECC-UNICAMP / IBILCE-UNESP / FCT-UNESP / IAE e IME-USP compõem o CeMEAI como instituições associadas.

 

Raquel Vieira – Comunicação CeMEAI

 

Mais informações

Assessoria de Comunicação do CeMEAI: (16) 3373-6609

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ag fapesp logo alt

Além de planejar a disponibilidade de leitos e de respiradores pulmonares para o tratamento de pacientes com COVID-19 em estado grave, os gestores de hospitais têm lidado com o desafio de gerir a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais de saúde. Se as previsões de compra desses suprimentos não forem corretas, pode ocorrer desabastecimento ou gastos desnecessários.

 

CLIQUE AQUI para ler a notícia completa!

Página 1 de 7